Justiça marca depoimento de Carlinhos Cachoeira em Goiás

Audiências com investigados e testemunhas do inquérito da Operação Monte Carlo vão ocorrer nos dias 24 e 25 de julho. Datas foram definidas pelo novo juiz do caso

O novo juiz responsável pelo inquérito da Operação Monte Carlo na 11ª Vara da Justiça Federal, Alderico Rocha Santos, marcou as datas das audiências com investigados e testemunhas do processo. Adiadas em maio, elas agora vão acontecer nos dias 24 e 25 de julho, em Goiânia. Entre os depoimentos, está previsto o do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, apontando como chefe de uma organização criminosa com atuação no estado.

Tudo sobre o caso Cachoeira
Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

Alderico foi indicado para presidir o inquérito na terça-feira (19), após o juiz responsável pelo caso, Paulo Augusto Moreira Lima, que era substituto na 11ª Vara Federal,  pedir afastamento por ter recebido ameaças veladas. O titular da Vara, Leão Aparecido Alves, declarou-se suspeito por "motivo de foro íntimo". Ele reconheceu ter uma relação de amizade com uma das pessoas investigadas no caso.

Em nota, o novo responsável pelo inquérito afirmou que, "em razão do preenchimento da pauta de audiências" nos processos que preside na 5ª Vara da Justiça Federal e de férias já marcadas, vai se esforçar para tocar o processo no próximo mês. "Diante da repercussão dos fatos, tenho certeza que tanto os acusados como a sociedade têm interesse no esclarecimento dos mesmos o mais breve possível, a fim de que sejam absolvidos os inocentes e condenados os culpados", disse.

Estão previstos os depoimentos de 15 testemunhas – quatro de acusação e 11 de defesa – e de sete investigados. Além de Cachoeira, serão questionados em juízo Gleyb Ferreira da Cruz, Idalberto Matias de Araújo, o Dadá, José Olímpio de Queiroga Neto, Lenine Araújo de Souza, Raimundo Washinton de Sousa Queiroga e Wladmir Garcez Henrique. Alguns já conseguiram a liberdade provisória, como Dadá e Gleyb.

CNJ pedirá proteção ao novo juiz do caso Cachoeira
Eliana Calmon quer conversa com juiz da Operação Monte Carlo

CPI quer ouvir juiz ameaçado por grupo de Cachoeira

Liminar

As oitivas com investigados e testemunhas foram suspensas pelo juiz federal Fernando Tourinho Neto, do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF 1), em 31 de maio. Ele atendeu a defesa de Cachoeira para suspender as audiências enquanto não forem concluídas as diligências pedidas. Também determinou que, antes do depoimento ocorrer, o bicheiro deve poder se reunir reservadamente com seus advogados.

Na nota enviada à imprensa, o novo presidente do inquérito responde indiretamente a Tourinho. "Serão envidados os esforços necessários para a instrução do processo ainda no mês de julho do corrente ano, asseguradas todas as garantias constitucionais e legais dos acusados, já que haverá tempo suficiente para o estudo do processo", disse.

Em 2002, Alderico foi o responsável por autorizar a prisão do senador Jáder Barbalho (PMDB-PA), que acabou preso pela Polícia Federal acusado de irregularidades na Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). O peemedebista foi mais tarde solto por decisão de Tourinho Neto.

As polêmicas do juiz que tentou soltar Cachoeira

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!