Justiça do DF nega prisão domiciliar ou militar a Geddel

 

A Justiça do Distrito Federal negou, nesta quinta-feira (14), pedido da defesa do ex-ministro Geddel Vieira Lima para que ele deixe o presídio da Papuda e passe para a prisão domiciliar ou, como segunda alternativa, para a prisão militar. Na decisão, a a juíza Lelia Cury, da Vara de Execuções Penais, afirmou que Geddel não corre riscos na cadeia e que a reportagem anexada ao pedido é "meramente especulativa".

"Essencial registrar que as medidas necessárias ao resguardo da integridade física do custodiado vêm sendo adotadas pela Direção da unidade prisional em que se encontra, não havendo, até o momento, nenhuma notícia de que ela tenha sido violada", diz a magistrada.

<< Geddel Vieira Lima é preso pela Polícia Federal

Quanto a possibilidade de Geddel migrar para a prisão militar, a magistrada lembra que o benefício só é concedido a advogados, agente político do Estado e militares enquanto ainda integram a referida força. Na decisão, ela ressalta não ser o caso de Geddel.

Lelia Cury nega ainda o pedido da defesa para que o processo corra em segredo de Justiça. "A publicidade do presente feito se faz necessária para demonstrar que ao custodiado vem sendo dispensado o mesmo tratamento dado aos demais presos do DF que ostentam as mesmas condições pessoais e processuais", diz a juíza em uma das justificativas.

Geddel foi preso na última sexta-feira (8), dois dias após a PF localizar um apartamento com R$ 51 milhões, distribuídos em malas e caixas, que havia sido emprestado por um empresário ao ex-ministro. Essa foi a maior apreensão de dinheiro vivo na história do país. Foram identificadas impressões digitais do peemedebista em cédulas apreendidas no “bunker”.

Geddel havia sido preso em 4 de julho, acusado de tentativa de obstrução de Justiça em meio às ações da Operação Cui Bono. Uma semana depois, por meio de habeas corpus concedido pelo Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, passou para a prisão domiciliar.

Amigo pessoal do presidente Temer, na Cui Bono, Geddel também é suspeito de ter recebido cerca de R$ 20 milhões em propina de empresas em troca da liberação de financiamentos na Caixa Econômica Federal (CEF). Ele foi vice-presidente de Pessoa Jurídica entre 2011 e 2013, no governo da ex-presidente Dilma Rousseff.

<< Apelidado de Suíno, Geddel era desafeto de Renato Russo na escola

<< Dinheiro atribuído a Geddel chega a R$ 51 milhões, a maior apreensão da história do país

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!