Justiça bloqueia R$ 43 milhões em bens de ex-governador do Mato Grosso do Sul

Bloqueio de bens de André Puccinelli foi determinado após análise de documentos, celulares e arquivos de computador apreendidos na 2ª fase da Operação Lama Asfáltica

A 3ª Vara da Justiça Federal decretou o bloqueio de R$ 43,1 milhões em bens do ex-governador de Mato Grosso do Sul André Puccinelli (PMDB), alvo da Operação Lama Asfáltica, que investiga um esquema de corrupção em obras públicas e compra de livros por meio de fraude em licitações. A decisão alcança, também no mesmo valor, o empresário Mirched Jafar Junior, sócio de uma gráfica de Campo Grande suspeita de participar das irregularidades.

O pedido de bloqueio foi feito a partir da análise de documentos, celulares e arquivos de computador apreendidos na 2ª fase da operação. Segundo o delegado Cleo Mazzotti, que cuida do caso, a medida pretende evitar uma eventual “dilapidação patrimonial” que impeça o ressarcimento dos honorários públicos em caso de uma condenação. O empresário não quis se manifestar sobre o assunto, já a defesa de Puccinelli disse que ainda analisa a determinação judicial para recorrer da decisão.

A suspeita é de que recursos públicos desviados de contratos e obras públicas tenham sido utilizados, na gestão Puccinelli, na compra de propriedades rurais. O esquema, de acordo com a PF, envolvia fraude em licitações e recebimento de propina. Os policiais identificaram fortes indícios de prática de lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Segundo eles, os investigados compravam bens em nomes de terceiros e sacavam dinheiro em espécie para ocultar os valores.

Entre os bens bloqueados do ex-governador estão imóveis, carros e conta bancárias. Quando disputou sua última eleição, em 2010, Puccinelli declarou patrimônio de R$ 5,3 milhões à Justiça Eleitoral. O bloqueio foi determinado pela juíza federal Monique Marchioli Leite.

Em maio, a Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão no apartamento de Puccinelli em Campo Grande, na segunda etapa da operação. Na ocasião, o ex-governador foi por iniciativa própria até a Superintendência da PF para saber os motivos da ação. Os investigadores buscavam documentos sobre a compra de livros didáticos e o financiamento da MS-430 pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Mais sobre corrupção

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!