Júri absolve acusados da morte de PC Farias

Ex-tesoureiro da campanha de Fernando Collor à Presidência da República e sua namorada morreram em 1996, em Guaxuma (AL). Jurados reconheceram tese do duplo homicídio

Depois de cinco dias de julgamento, o Tribunal do Júri em Maceió absolveu na noite desta sexta-feira (10) os quatro acusados de envolvimento na morte de Paulo César Farias, ex-tesoureiro da campanha de Fernando Collor à Presidência da República em 1989, e da sua namorada, Suzana Marcolino. Os jurados reconheceram a tese de duplo homicídio, mas não concordaram com a culpa do grupo.

Os seguranças Adeildo Costa dos Santos, Reinaldo Correia de Lima Filho, Josemar Faustino dos Santos e José Geraldo da Silva eram acusados, como seguranças de PC Farias, de duplo homicídio triplamente qualificado, ocorrido em 23 de junho de 1996, em Guaxuma (Alagoas). Apesar de reconhecer a inocência dos quatro, os jurados rejeitaram a tese da defesa de que Suzana teria matado o ex-tesoureiro e depois se suicidado.

De acordo com o portal UOL, nenhum dos dois ex-seguranças que estavam na casa na madrugada do crime (Adeildo e Geraldo) afirmaram ter ouvido disparos --os outros dois militares acusados entraram no serviço para render os dois colegas por volta das 8h30 do dia da morte. Os demais funcionários na casa também alegam não ter escutado tiros.

Com informações da Agência Brasil e do portal UOL

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!