Jornais, TV e rádio destacam reportagem do Congresso em Foco sobre fraude em royalties

Principais veículos de comunicação do país repercutem notícia revelada pelo site sobre falsificação na assinatura de deputado. Renan diz sessão continua válida

O GLOBO

Royalties: assinatura de deputado em votação foi fraudada

A Polícia Legislativa da Câmara atestou, em inquérito enviado ao Ministério Público Federal, que houve fraude na votação da sessão no Congresso que derrubou os vetos presidenciais à lei de redistribuição dos royalties do petróleo. A votação foi há seis meses, e o deputado federal Jorge Oliveira, o Zoinho (PR-RJ), que não estava presente, teve sua assinatura falsificada no plenário. O presidente do Senado, Renan Calheiros, disse que não anulará a sessão.

Veja as reportagens do Congresso em Foco, que trouxeram o assunto à tona na sexta-feira:

Polícia da Câmara confirma fraude em votação dos royalties

MPF quer ouvir servidores sobre fraude nos royalties

Renan questiona qual o interessado no crime

Garotinho diz ter convicção sobre falsificação

Cai mais um no Trabalho

Antes mesmo de começar a  operação pente-fino nos convênios  anunciada pelo ministro Manoel Dias  ( Trabalho), o coordenador do mutirão,  o secretário de Políticas Públicas de  Emprego, Sérgio Vidigal, caiu ontem à  noite. O secretário teria pedido demissão  alegando que não quer atrapalhar  as investigações sobre desvios de milhões de reais de programas de treinamento no ministério. Ele havia sido colocado à frente pelo ministro Manoel  Dias para fazer um pente-fino na pasta  e seria responsável por designar o coordenador  para analisar os convênios  suspeitos de irregularidades apontados  pela Operação Esopo, da Polícia Federal.

A demissão aconteceu depois da  publicação, no jornal O GLOBO, da trajetória  polêmica do secretário e seu envolvimento  com servidores presos e  afastados na Operação Esopo.  Conforme revelou O GLOBO, o político  tem um histórico polêmico. Vidigal é  ex-prefeito de Serra (ES), município  que tem um convênio de R$ 4,6 milhões com o Instituto Mundial de Desenvolvimento e da Cidadania (IMDC),  entidade citada na operação como a  principal beneficiária pelo desvio de  dinheiro público.

Após empate, Lula vai a Dilma

Um dia após o adiamento da decisão sobre embargos infringentes no STF, Lula foi a Brasília se reunir com Dilma e Rui Falcão.

Obituário: Luiz Gushiken, ex-ministro

ONU: Assad ataca hospitais como tática

Segundo a organização, o bombardeio da infraestrutura hospitalar é política de Estado na Síria.

Leilão de estradas: só um trecho teve interessados

Apenas para um dos dois trechos a serem leiloados no dia 18 houve oito propostas. Governo ficou surpreso e suspeita de ação orquestrada de investidores.

PMs condenados pela morte de Juan

Quatro PMs foram condenados a penas de até 66 anos pelo assassinato de Juan Moraes, de 11 anos.

 

JORNAL NACIONAL (TV GLOBO)

Inquérito aponta fraude em votação na Câmara sobre os royalties do petróleo

O inquérito da polícia da Câmara dos Deputados concluiu que houve fraude em um dos votos de uma sessão que derrubou os vetos da presidente Dilma Rousseff à lei dos royalties do petróleo. Essa votação foi em março. O nome do deputado Jorge de Oliveira, conhecido como Zoinho (PR-RJ) constava da lista dos que votaram, mas, segundo as investigações, o parlamentar estava viajando e a assinatura dele foi falsificada.

Em nota, o presidente do Congresso, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), declarou que a votação não será cancelada, já que o voto não interferiu no resultado. Renan também afirmou que as autoridades envolvidas precisam identificar o autor do delito para afastar a suspeita de fraude com o objetivo de anular a sessão. O Ministério Público Federal analisa o caso e pediu novas investigações.

 

O ESTADO DE S. PAULO

Polícia constata fraude em voto de royalties

A comprovação de uma fraude durante a votação dos vetos presidenciais à lei da nova distribuição dos royalties do petróleo, em março, desencadeou uma reação da bancada do Rio de Janeiro no Congresso e deputados chegaram a defender a anulação da sessão que impôs perdas bilionárias aos estados produtores.

O movimento capitaneado pelo líder do PR Anthony Garotinho (RJ) tez o presidente do Congresso Renaii Calheiros (PMDB-AL) e enterrar, em nota divulgada na noite de ontem, a possibilidade de uma nova votação. "A sessão continua válida, já que o voto mencionado não interferiu no resultado da votação. A urna onde foi depositado o voto do referido deputado continha 39 votantes", disse o presidente do Senado. "Ainda que toda a urna fosse anulada, seria insuficiente para alterar o resultado final", concluiu.

Com a reivindicação barrada por Renan, Garotinho diz agora que estuda a possibilidade de ir ao Supremo Tribunal Federal pela suspensão da votação. Ontem, reportagem do site Congresso em Foco revelou que um inquérito recém-concluído peia Polícia Legislativa da Câmara comprovou que assinatura do deputado federal Zoinho (PR-RJ) foi falsificada durante a sessão de apreciação dos vetos. À época, a fraude foi denunciada pelo próprio parlamentar, que estava em trânsito entre Brasília e o Rio de Janeiro no momento em que ocorria a votação.

Colegas pressionam Celso de Mello a recusar embargos

Ministros do STF contrários à realização de novo julgamento para 12 dos 25 condenados do mensalão usarão dois argumentos para tentar convencer o decano da Corte, Celso de Mello, a acompanhá-los na rejeição dos embargos infringentes: além do desgaste do tribunal, eles têm dito que são grandes as chances de haver absolvições caso os crimes passem por nova análise. A votação pela aceitação ou não dos embargos está empatada por cinco a cinco. Resta apenas o voto de Celso de Mello, previsto para quarta-feira. Ele já indicou que deverá votar pela aceitação do recurso. Alvo também dos advogados dos condenados, Celso de Mello foi aconselhado a sair de Brasília no fim de semana, mas resolveu permanecer na cidade. Ontem à tarde, ele esteve em seu gabinete no Supremo para despachar com assessores.

Parlamentares também fazem lobby

Integrantes da base aliada da presidente Dilma Rousseff usaram ontem a tribuna do Congresso para pressionar o ministro Celso de Mello a rejeitar os embargos infringentes.

EUA cedem a pressões e ataque à Síria fica distante

O governo dos EUA cedeu à pressão da Rússia e da opinião pública americana e abandonou a ideia de uma resolução na ONU que ameace o regime sírio com o uso da força caso não entregue armas químicas. Há sinais concretos de que a Casa Branca e o Kremlin caminham para acordo que colocará sob controle internacional o arsenal de Damasco.

Rússia quer Brasil na negociação

País foi convidado a enviar inspetores para analisar armas químicas do regime de Assad, informou o Kremlin.

Mantega diz que política fez leilão fracassar

O programa de concessões em infraestrutura, a grande aposta do governo para deslanchar o crescimento da economia, não recebeu nenhuma proposta pelo trecho da BR-262, entre Espírito Santo e Minas Gerais. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse ao Estado que a razão para a ausência de interessados pode ter sido política.

 

JORNAL DA RECORD (TV RECORD)

Polícia descobre que houve fraude durante votação dos royaties do petróleo

A polícia descobriu que houve fraude na votação dos royalties do petróleo na Câmara dos Deputados no dia 6 de março.

A assinatura de um dos deputados foi falsificada, mas a sessão não será anulada.

A fraude ocorreu na votação dos vetos à Lei os Royalties no dia 6 de março. O inquérito da Polícia Legislativa da Câmara que a assinatura do deputado Zoinho na lista de votações teria sido falsificada.

Ela é bem diferente da original, o deputado também apresentou o cartão de embarque como prova da fraude, já que ele foi para o Rio de Janeiro no dia da votação.

O inquérito foi encaminhado ao Ministério Público Federal, mas como não apontou suspeito, o caso poderia ser arquivado, por isso a Procuradoria devolveu o processo à Câmara e deu prazo de 60 dias para que outras informações sejam levantadas e servidores ouvidos.

No pedido, o procurador Francisco Guilherme Bastos quer saber quem teve acesso à lista de assinatura, como os parlamentares eram identificados e de que forma a lista foi armazenada. A investigação foi aberta em maio, depois de pedido do líder do PR na Câmara.

Líder do PR na Câmara, Anthony Garotinho: Vou pedir a anulação da votação. A identificação, por parte da polícia, de quem assinou no lugar do Zoinho.

Em nota, o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros, disse que a sessão não será anulada, porque o voto não interferiu no resultado da votação

 

JORNAL DO SBT (SBT)

Câmara confirma fraude na votação dos vetos à lei de distribuição dos royalties

Um deputado federal votou no lugar do outro no Congresso Nacional. Apesar de fraude comprovada, a sessão não vai ser anulada.

Como pode um deputado votar numa sessão se ele não está presente? Foi o que aconteceu com Jorge de Oliveira, o Zóinho (PR-RJ). A votação no dia 6 de março derrubou os vetos da presidente Dilma Rousseff ao projeto de distribuição de royalties do petróleo. A assinatura de Zóinho aparece na lista dos que votaram, mas o deputado já estava no aeroporto. O embarque para o Rio foi às 20h46, antes da votação, que aconteceu na madrugada.

A pedido do líder do PR, Anthony Garotinho, a polícia legislativa investigou o caso. A conclusão é que a assinatura de fato não pertence ao deputado Zóinho. O relatório foi encaminhado ao Ministério Público Federal, que devolveu o documento e pediu mais informações. Na internet, o deputado Garotinho postou a imagem das duas assinaturas, a verdadeira e a falsa.

A Secretaria Geral do Congresso anunciou que a sessão dos royalties não será anulada, porque um voto não mudaria o resultado.

 

FOLHA DE S.PAULO

Votação na Câmara teve assinatura falsa

A Polícia Legislativa da Câmara comprovou que houve fraude na sessão do Congresso que derrubou o veto da presidente Dilma Rousseff à lei dos royalties de petróleo.

Segundo a investigação, a assinatura do deputado federal Zoinho (PR-RJ) foi falsificada na lista de votação.

O presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL) decidiu não anular a sessão alegando que o voto fraudado não interfere no resultado da votação.

Pacote de Dilma de concessões tem primeiro fracasso

Nenhum consórcio se interessa por rodovia que liga MinasGerais ao Espírito Santo; Mantega vê problema 'político'

Faculdade federal se nega a ajudar médico estrangeiro

13 universidades federais de nove Estados se negam a participar do Mais Médicos e indicar tutores para acompanhar os profissionais do programa do governo Dilma

Ministro deve votar por novo julgamento, dizem colegas

Ministro mais antigo do Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello deve votar na quarta-feira a favor do recurso que garante novo julgamento para 12 dos 25 condenados pelo mensalão. A avaliação é de seis ministros da corte ouvidos pela Folha

Mônica Bergamo

Ministros já atuam para acelerar nova etapa do mensalão

Rock in Rio 2013

Megashow de Beyoncé e tributo a Cazuza marcam a 1ª noite do Rock in Rio

São Paulo testa ônibus que 'fala' e flagra infração

A Prefeitura de SP testa ônibus "tagarela" e "dedo-duro". Alto-falantes informam a linha e o destino final em cada ponto. A novidade foi apelidada de "voz do além" por usuário

 

REPÓRTER CBN (RÁDIO CBN)

Uma denúncia de fraude na votação do Congresso que derrubou o veto da presidente Dilma Rousseff à redistribuição dos royalties do petróleo

A Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados comprovou que houve fraude na votação do Congresso que derrubou os vetos à nova lei sobre a distribuição dos royalties. De acordo com informações do site Congresso em Foco, o nome do deputado Zoinho (PR-RJ) foi fraudado na lista de votantes. Os agentes da Polícia Legislativa constataram que a assinatura na cédula de votação não corresponde à de Zoinho. Além disso, os agentes levaram em consideração o cartão de embarque do deputado, que mostra que o parlamentar estava viajando na hora dessa votação, que ocorreu no dia 6 de março. Ainda não se sabe o autor das fraudes.

A Câmara dos Deputados informou ainda que o resultado das investigações será repassado para o Ministério Público. E o MP decide então se dará continuidade às investigações. No entanto, a decisão sobre o cancelamento da sessão do Congresso Nacional depende do senador Renan Calheiros, que presidia essa sessão. Foi uma sessão conjunta da Câmara e do Senado.

Com a derrubada dos vetos, os estados produtores, em especial Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo, perdem receita. A estimativa do governo do Rio é que as perdas cheguem a R$ 74 bilhões até o ano de 2020.

 

REPÓRTER BRASIL (TV BRASIL)

Inquérito identifica fraude em sessão da Câmara sobre os royalties do petróleo

A Polícia Legislativa identificou uma assinatura falsa na sessão que derrubou os vetos da presidenta Dilma Rousseff à redistribuição dos royalties do petróleo entre os estados.

O autor da fraude ainda não foi identificado. Por causa do crime alguns parlamentares defenderam uma nova votação. Mas o presidente do Senado, Renan Calheiros, afirmou que a sessão continua válida.

O crime foi investigado pela Polícia Legislativa da Câmara do Deputados, que comprovou fraude. A assinatura do deputado Zoinho foi considerada falsa. O voto dele foi computado na sessão do Congresso do dia 6 de março, que derrubou os vetos da presidenta Dilma Rousseff à parte do projeto que mudava a distribuição dos royalties do petróleo.

Em nota, o deputado Zoinho afirma que apresentou um cartão de embarque comprovando que estava em viagem no momento da votação. Ele disse que confia no trabalho da Polícia Legislativa para apurar e punir o responsável. O presidente do PR, partido de Zoinho, classificou a fraude como vergonhosa e defendeu que seja realizada uma nova sessão. Para ele, há o risco de outros casos de falsificação.

Deputado Anthony Garotinho: Nós comprovamos uma fraude. Mas quantas ocorreram? E se outros deputados também votaram por outras pessoas?

Essa decisão cabe ao presidente do Congresso, senador Renan Calheiros, mas em nota, ele afirmou que a sessão continua válida, já que uma fraude envolvendo apenas um voto não altera o resultado. Renan cobrou ainda a identificação do autor da fraude, para apurar quais seriam as intenções dele ao falsificar a assinatura. O inquérito foi encaminhado para a Procuradoria da República do DF, que devolveu o processo à Polícia Legislativa da Câmara, que tem um prazo de 90 dias para concluir as investigações.

A decisão sobre a validade legal da sessão cabe ao Supremo Tribunal Federal. A ministra Cármen Lúcia suspendeu os efeitos da votação em liminar concedida em março deste ano. A questão será levada ao plenário da Corte que vai dar a palavra final.

 

CORREIO BRAZILIENSE

Quem assinou pelo deputado?

O Congresso investiga fraude na lista de votação dos vetos à Lei dos Royalties. O deputado federal Zoinho (PR-RJ) teve o nome inscrito na sessão, mas estava viajando. A presidência da Casa manteve o resultado.

“Bombas” delivery

A venda ilegal de anabolizantes e esteroide proibidos pela Anvisa encontrou uma nova trincheira: a internet. Em busca de músculos fáceis, jovens se arriscam a ter problemas cardiovasculares, a perder a virilidade e até a vida. Nas redes sociais, criminosos que comercializam m drogas em Brasília chegam a oferecer facilidades, como a entrega em casa e o pagamento em maquinetas de cartão de crédito.

Câncer mata ex-ministro Gushiken, 63

Um dos fundadores do PT, ex-deputado lutava contra tumor havia 12 anos e dedicou os últimos dias a se despedir dos amigos.

Justiça: Obra suspensa em hidrelétrica

A construção de Teles Pires, entre Pará e Mato Grosso, foi paralisada devido a problemas ambientais.

Economia: PIB em queda frustra o governo

Prévia do BC indica que o Brasil começou o terceiro trimestre no vermelho: PIB caiu 0,3% em julho.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!