Jornais: Partidos ignoram condenações de seus filiados

Dos 11 políticos condenados pelo Supremo, pelo menos sete são integrantes da direção de seus partidos. Mesmo nas legendas em que há punição para condenados prevista em estatuto, como é o caso do PT, isso não deve acontecer

O GLOBO

 

Partidos ignoram condenações de seus filiados

A serviço de seus partidos em atividades agora classificadas como crime no julgamento do mensalão, os políticos condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) não devem sofrer qualquer tipo de punição por parte dos comandos partidários. Mesmo nas legendas em que há essa previsão no estatuto, como é o caso do PT, a punição não deve ocorrer, por decisão política. Dos 11 políticos condenados pelo Supremo, pelo menos sete são integrantes da direção de seus partidos e não devem perder as funções se depender dos companheiros dirigentes.

Entre os partidos que têm políticos condenados no julgamento do mensalão, o PT é o único cujo estatuto prevê a pena de expulsão para os condenados em última instância. Os demais - PTB, PR e PP - estabelecem expulsão para casos de atos de improbidade ou atentado à lei vigente e às regras partidárias.

No PT, chegou-se a falar, informalmente, na possibilidade de reformar o estatuto, que prevê a expulsão daqueles que tiverem "condenação por crime infamante ou por práticas administrativas ilícitas, com sentença transitada em julgado". Ou seja, com condenação final, como é a aplicada pelo STF a José Dirceu, José Genoino e João Paulo Cunha, todos integrantes do Diretório Nacional do PT.

O quarto político petista condenado, Delúbio Soares, chegou a ser expulso do partido no auge do mensalão e se filiou novamente em 2011, mas não consta como dirigente, embora seja o nome forte do PT em Goiás. Mas os petistas têm dado demonstrações de que não pretendem reformar o estatuto nem punir os companheiros condenados - consideram que já foram punidos injustamente pelo Supremo. (...)

No PTB, Roberto Jefferson está licenciado da presidência, para tratamento de saúde. Segundo o deputado Arnaldo Faria de Sá (SP), integrante da Executiva Nacional do partido, não houve qualquer discussão sobre expulsão de Jefferson em razão da condenação. Ele vai além e diz que, se isso acontecer, será o primeiro a ser contra qualquer tipo de punição.

- Roberto Jefferson prestou um serviço à nação, foi um kamikaze. Politicamente não pode ser condenado. Se não tivesse feito o que fez, não teríamos chegado onde chegamos. Ele foi o estopim da mudança que o STF está provocando no país. Merece ser saudado, homenageado - afirmou Faria de Sá, deixando de lado o fato de que Jefferson também recebeu grandes quantias do esquema do mensalão.

A direção do PP, partido que tem dois políticos condenados pelo Supremo - Pedro Henry e Pedro Correa, ambos integrantes da Executiva Nacional -, informa que pretende examinar o futuro deles ao final do julgamento, mas igualmente não há disposição dos colegas de afastá-los do partido ou das funções que ocupam.

No caso do PR, o estatuto também prevê a expulsão, mas diz que isso depende de aprovação da maioria dos integrantes da Executiva Nacional. O partido, porém, já se antecipou e no domingo passado reconduziu como secretário-geral do PR o deputado Valdemar Costa Neto (SP), condenado pelo Supremo.

40 anos de cadeia para o operador do mensalão

Relator e revisor divergiram duramente na determinação de penas que podem afetar situação do ex-ministro José Dirceu; para especialistas, decisão de ontem sinaliza punições rigorosas também para os outros condenados

O Supremo Tribunal Federal estipulou ontem pena de 40 anos, um mês e seis dias para Marcos Valério, que ficará pelo menos seis anos e oito meses atrás das grades. Os ministros decidiram que o operador do mensalão pagará multa de R$ 2,8 milhões e perderá bens para compensar o crime de lavagem de dinheiro. O relator, Joaquim Barbosa, e o revisor, Ricardo Lewandowski, divergiram sobre o tamanho das penas de Valério que poderão afetar o caso do ex-ministro José Dirceu. Barbosa sugeriu que o colega estaria alinhado à defesa, enquanto o revisor indicou que o relator atuava na acusação. Mais tarde, Barbosa pediu desculpas.

Advogado de Valério argumenta que cliente 'não ficou com nada'

Condenado a ressarcir o dinheiro que ajudou a lavar do mensalão, Marcos Valério terá de acertar uma conta com a Justiça que pode chegar a R$ 37 milhões - o total do dinheiro repassado por Valério para lideranças de partidos e outros congressistas condenados. A perda de bens e valores é uma consequência natural do crime de lavagem. A vítima a ser ressarcida, nesse caso, é a União.

Mas Marcelo Leonardo, que defende Valério, disse que seu cliente não tem que devolver nenhum centavo. E argumentou que esse dinheiro foi todo repassado e não ficou com ele.

- Marcos Valério não ficou com nada, só repassou. Essa conta é mesma coisa que zero - disse Leonardo, que lembrou que todo o patrimônio de Valério está bloqueado por decisão do Supremo há sete anos.

O revisor, Ricardo Lewandowski, cujo voto prevaleceu na condenação desse crime sobre o relator Joaquim Barbosa, afirmou que um artigo da lei da lavagem de dinheiro é claro sobre a automática perda dos bens e valores nesses casos:

CUT organiza atos para filiação em massa ao PT

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) está organizando atos de filiação em massa ao PT com a intenção de reafirmar a força do partido, num momento em que ex-dirigentes da legenda foram condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento do mensalão.

Na última segunda-feira, cerca de 450 pessoas se filiaram ao PT em evento promovido pela direção estadual da CUT de Mato Grosso, em Cuiabá, entre elas líderes sindicais e integrantes de movimentos sociais. Estava previsto para a noite de ontem um ato menor, com a filiação de 50 pessoas em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. E na próxima segunda-feira, cerca de 500 dirigentes de sindicatos devem se filiar ao PT, em encontro promovido pelo Sindicato dos Bancários do Rio.

O presidente nacional da CUT, Vagner Freitas de Moraes, negou que processo de filiação em massa tenha sido organizado nacionalmente pela direção da CUT ou tenha partido de um pedido do PT. Disse que os atos de filiação são fruto de uma vontade espontânea da população. Na opinião de Moraes, que é filiado ao PT, essas filiações são importantes para mostrar que o partido continua forte, apesar do julgamento do mensalão:

Dirceu é homenageado em jantar de prefeito de Osasco

Condenado como o chefe da quadrilha do mensalão e aguardando a pena pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o ex-ministro José Dirceu está se amparando numa rede de proteção de amigos. Anteontem à noite, quando os ministros do STF decidiam as penas de Marcos Valério, Dirceu foi recepcionado por um grupo de amigos num jantar promovido pelo prefeito de Osasco, Emídio de Souza (PT), na casa de Emídio. Para afastar a imagem de abatimento mostrada no dia da eleição em São Paulo, Dirceu cortou os cabelos longos que lhe davam um ar de desleixo. No domingo, participou, com José Genoino, de um almoço com ex-colegas de 1968.

- Foi um jantar para descontrair, sem nenhuma conotação política. O Zé está muito animado e contente com as manifestações dos amigos que estão reagindo e mostrando que continuam ao seu lado. Ele agradeceu muito essas manifestações de solidariedade - contou Emídio, dizendo que foi um jantar privado.

A namorada de Dirceu, Evanise Santos, disse que o deputado João Paulo Cunha (PT), também condenado no mensalão, não compareceu porque foi um jantar apenas de amigos. Ela lembrou que Dirceu sempre foi muito bem votado em Osasco, base eleitoral de João Paulo:

Mensalão leva juiz a invalidar reforma da Previdência

A confirmação pelo Supremo Tribunal Federal (STF) de que houve compra de votos de parlamentares no primeiro governo Lula fez com que o juiz Geraldo Claret de Arantes, da 1ª Vara da Fazenda de Belo Horizonte, em decisão que contraria o próprio entendimento do Supremo, considerasse inválida a votação da reforma da Previdência, ocorrida em 2003. Com isso, a viúva de um servidor público da comarca de Coração de Jesus, no Norte de Minas, ganhou direito a aposentadoria integral.

Ainda cabe recurso, mas a viúva pode ganhar o direito de receber R$ 4.827 mensais, mesmo valor do salário de seu marido, como pensionista aposentado. Desde a morte do cônjuge, em 2004, a viúva recebe R$ 2.575 por mês.

Segundo o juiz, o julgamento da Ação Penal 470, conhecida como mensalão, fez vir à tona a "problemática da compra de votos no Congresso Nacional". No seu entendimento, a aprovação da Emenda Constitucional 41, de 2003, tem "vício de decoro parlamentar" que "macula de forma irreversível a reforma da Previdência".

Farra sobre rodas: Carro oficial deixa de pagar pedágio

A resolução 3.916 da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), publicada ontem no Diário Oficial da União, tornou regra a isenção para carros oficiais de pagamento de pedágios nas rodovias federais concedidas à iniciativa privada. Essa dispensa já era prevista nos contratos de concessão das estradas, mas agora foi ratificada e ampliada a todos os veículos a serviço do poder público.

No caso dos veículos que prestam serviço, eles devem ser cadastrados previamente nos sites das concessionárias e apresentar esse comprovante nas praças de pedágio.

A decisão prevê a passagem livre para automóveis a serviço de União, estados e municípios, seus respectivos órgãos ou departamentos, autarquias ou fundações públicas, além de veículos de uso do corpo diplomático.

Condição das rodovias está pior, diz CNT

Apesar dos anúncios de investimentos do governo federal em estradas, a situação geral nas rodovias brasileiras piorou em 2012, segundo pesquisa divulgada ontem pela Confederação Nacional do Transporte (CNT). Em comparação com 2011, o resultado ocorreu por causa da piora em critérios como sinalização. Outra conclusão do estudo é que as rodovias que foram privatizadas tiveram melhor desempenho do que as que continuam sob gestão pública.

Dos 95.707 quilômetros de estradas analisadas, 60.053 quilômetros, ou 62,7%, tiveram algum tipo de problema, contra 57,4% apontados na pesquisa de 2011. O percentual de 62,7% inclui os índices regular (33,4%), ruim (20,3%) e péssimo (9%). Os resultados ótimo (9,9%) e bom (27,4%) somam 37,3% na pesquisa de 2012, contra 42,6% em 2011.

Falta de placa e faixas foi apontada em 63.410 quilômetros (66,2%). Simplesmente não há sinalização em 4.231 quilômetros (4,4%). A análise sobre pavimentação teve resultado inverso: 54,1% de aprovação, enquanto 45,9% (ou 43.981 quilômetros) apresentaram má conservação. Também aumentaram os pontos críticos, que são os locais que sofrem com problemas como erosão - 221 agora contra 219 em 2011.

Leilão de aeroportos: Brasileiros miram agora Portugal

À espera de regras dos leilões dos aeroportos no Brasil, os grupos CCR e Odebrecht apresentaram proposta para comprar a ANA, que administra dez terminais portugueses. O negócio é de cerca de € 2,5 bilhões.

Efeito crise: Lucro da Vale recua 57%

A queda no preço do minério de ferro no mercado internacional, por conta da crise global, e o provisionamento de recursos para o pagamento de royalties fizeram a Vale registrar queda de 57,8% em seu lucro líquido no terceiro trimestre deste ano, em relação ao mesmo período de 2011. Entre julho e setembro, o ganho da mineradora somou R$ 3,328 bilhões, contra os R$ 7,893 bilhões de um ano antes. Em dólar, o lucro foi de US$ 1,669 bilhão, tombo de 66,2% em relação ao mesmo período de 2011. Em comparação ao segundo trimestre, a queda foi de cerca de 37% nas duas moedas.

Cinto em ônibus: lei é desprezada

Uma das vítimas do acidente na Rio-Teresópolis escapou com vida ao cumprir uma lei que quase ninguém respeita ou fiscaliza: a que obriga o uso de cinto de segurança em ônibus. A lei só não vale para linhas urbanas.

 

 

 

 

FOLHA DE S. PAULO

 

Na reta final, Haddad tem 49% e Serra, 34%

Pesquisa Datafolha para a Prefeitura de São Paulo mostra que Fernando Haddad (PT) se mantém com 49% das intenções de voto e está 15 pontos à frente de José Serra (PSDB). O tucano oscilou dois pontos para cima e agora tem 34%.

O percentual de eleitores que dizem estar indecisos caiu de 9% para 6%. O de brancos e nulos soma 11%.

Desconsiderados esses votos, Haddad alcança 60% e Serra, 40%. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

Para a maioria dos entrevistados (76%), todos os candidatos que disputaram o primeiro turno deveriam estar mais preparados para enfrentar os problemas da cidade. Só 18% afirmam que eles estavam à altura do que São Paulo precisa.

Na pesquisa Ibope/TV Globo/“O Estado de S. Paulo”, Haddad tem 49% e Serra, 36%. A margem de erro é de três pontos.

PT e aliados já competem por cargos na prefeitura

Às vésperas do segundo turno, a corrida por cargos numa eventual gestão de Fernando Haddad (PT) na Prefeitura de São Paulo já opõe petistas a partidos aliados como PMDB, PP e PSB. As três siglas cobiçam secretarias fortes para as quais o PT tem pretendentes, como Educação, Saúde e Habitação. A corrida incomoda o ex-presidente Lula e Haddad, que desautorizaram a discussão antecipada por vagas.

Na Saúde, o PMDB quer emplacar Marianne Pinotti, vice na chapa de Gabriel Chalita. O vereador Carlos Neder (PT), que chefiou a pasta na gestão Luiza Erundina (1989-92), conta com a simpatia de Ana Estela, mulher do candidato, para voltar ao cargo. A Secretaria de Habitação é cobiçada pelo PP do ex-prefeito Paulo Maluf. O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) defende a nomeação do deputado estadual petista Simão Pedro, integrante da coordenação da campanha.

Serra e Haddad travam debate mais agressivo

Fernando Haddad (PT) e José Serra (PSDB) travaram o debate mais agressivo na campanha até agora. No encontro, promovido pelo SBT e pelo UOL, empresa comandada pelo Grupo Folha, bateram boca sobre corrupção e gestões de aliados.

Questionado pelo tucano se o PT “repetiria o mensalão” em São Paulo, Haddad afirmou que o desrespeito do adversário vai “às raias da insanidade”.

Aécio diz que pediu mais votos ao PSB que ao PSDB

Em ato de apoio ao candidato do PSB à Prefeitura de Campinas (SP), Jonas Donizette, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) disse que, nas visitas a 23 Estados nestas eleições, pediu mais votos para o PSB do que para seu próprio partido.

O evento ocorreu ontem no largo do Rosário, no centro da cidade. É o mesmo local onde o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff estiveram no último sábado para apoiar o candidato do PT, Marcio Pochmann.

Segundo Aécio, a aliança entre PSDB e PSB é "natural", e não só eleitoral. Para ele, há identidade entre as siglas.

Apoiado pelo PT, Fruet consolida vantagem

A quatro dias da eleição à Prefeitura de Curitiba, o candidato Gustavo Fruet (PDT) mantém ampla vantagem sobre Ratinho Junior (PSC), segundo pesquisa Datafolha encomendada pela Folha e pela RPC TV.

Pelo levantamento, Fruet continua com 52% das intenções de voto, ante 35% de Ratinho, que oscilou um ponto para baixo em relação à pesquisa da semana passada.

Brancos e nulos somam 5%, enquanto 8% se declararam indecisos. O levantamento, feito ontem e anteontem, tem margem de erro de três pontos para mais ou para menos.

Em votos válidos, a vantagem de Fruet sobre Ratinho é de 20 pontos (60% a 40%).

Marcos Valério é condenado pelo STF a 40 anos de prisão

O STF estabeleceu ao empresário Marcos Valério, o operador do mensalão, penas que somadas chegam a 40 anos e um mês. As multas determinadas totalizam R$ 2,8 milhões e parte de seus bens será leiloada para ressarcir a União.

A pena total de Valério ultrapassa 30 anos, tempo máximo de prisão no país para uma condenação.

O advogado Marcelo Leonardo, que defende o empresário, afirmou que a sentença do tribunal é “absurda e desarrazoada”.

Ao discordar de pena mais branda defendida pelo revisor, Ricardo Lewandowski, o relator, Joaquim Barbosa, insinuou que o colega advogava para Valério. Lewandowski reagiu perguntando se Barbosa representava a acusação.

Condenações não mudarão história do Brasil, diz ex-presidente do STF

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal e ex-presidente da Comissão de Ética Pública da Presidência, Sepúlveda Pertence, 75, diz que as condenações do mensalão não vão inibir de maneira significativa a corrupção.

Para Pertence, o modelo de presidencialismo de coalizão e a sofisticação dos crimes de colarinho branco são fatores que continuarão a produzir uma conjuntura favorável para delitos como o mensalão.

Em entrevista à Folha e ao UOL, ele reconhece que "não é rotineiro no Brasil" um julgamento como o do STF: "Há um dado positivo. O mecanismo judiciário funcionou".

Suspeito de fraude no fundo partidário deixa cargo no CNJ

Investigado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) por suspeita de participação em desvios de recursos do fundo partidário, Wladimir Caetano pediu demissão ontem do cargo que ocupava no CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

A demissão ocorre após a Folha revelar, na última segunda-feira, a existência de apuração do TSE, que investiga contas de 17 partidos políticos. Em abril, Caetano deixou o TSE e foi alocado no CNJ, após o caso começar a ser apurado.

Caetano disse à Folha que "não está autorizado a falar" e que dúvidas deveriam ser enviadas ao TSE, local em que ele é funcionário concursado.

Conforme a Folha revelou, o TSE ampliou sua investigação sobre o uso de recursos do fundo partidário após constatar fraude nas contas do PP (Partido Progressista)

Bancos encontram brechas para cobrar tarifas irregulares

Apesar das restrições impostas pelo governo à cobrança de tarifas bancárias, as instituições financeiras estão criando novas tarifas e achando brechas nas normas para cobrar por serviços não contratados pelos clientes.

Neste ano, as reclamações contra os bancos somente por custos que não foram acordados já somam o equivalente a dos dois anos anteriores juntos, segundo dados compilados pela Secretaria de Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça.

Dados do Banco Central também apontam que a cobrança irregular de serviços não contratados vem ganhando destaque no ranking de reclamações da instituição, que considera só queixas confirmadas como procedentes. No ano passado, elas mais do que triplicaram.

Um dos problemas apontados pela economista Ione Amorim, do Idec (Instituto de Defesa do Consumidor), são os pacotes de serviços oferecidos pelos bancos. "As instituições financeiras estão usando os pacotes para validar a cobrança de outras tarifas", diz. "São um caminho para driblar as normas."

Segundo ela, os principais problemas ocorrem nos chamados serviços diferenciados, que incluem desde aluguel de cofres a envio de mensagens automáticas e administração de fundos de investimento. Muitas vezes classificados com nomes diferentes, eles são de difícil comparação pelos clientes. Algumas dessas cobranças também incluem itens que o BC proíbe.

O Bradesco, por exemplo, passou a cobrar dos clientes, em julho deste ano, pela visualização da imagem dos cheques emitidos nas consultas pela internet. A tarifa de R$ 2 é classificada pelo banco como uma remuneração por "serviços diferenciados".

Lucro da Vale cai 58% no trimestre em relação a 2011

Com a economia global desaquecida e a queda nos preços do minério de ferro, a Vale teve pior desempenho no terceiro trimestre. O lucro de R$ 3,328 bilhões representa uma queda de 57,8% em comparação com igual período de 2011 e de 37,4% em relação ao segundo trimestre do ano.

Governo admite erro de foco e amplia vacina contra gripe

A estratégia de vacinação contra a gripe em 2013 vai ter duas mudanças, com o objetivo de aumentar o acesso à imunização das pessoas com doenças crônicas ou outras condições que podem representar um risco maior se elas forem infectadas.

Estudo realizado neste ano no Sul do país mostrou que 85% das mortes por H1N1 tinham associação com alguma outra doença.

Essas condições, que antes estavam listadas de maneira genérica, serão detalhadas.

O que antes eram hepatopatias (nome genérico para moléstias do fígado), por exemplo, viram atresia biliar, hepatites crônicas e cirrose.

Com isso, o Ministério da Saúde, que acaba de elaborar a listagem, espera padronizar a vacinação no país -os Estados divergiam sobre quais eram as doenças ou condições de saúde alvo da vacinação- e sensibilizar os médicos e os pacientes para a necessidade de imunização nesses casos.

 

 

O ESTADO DE S. PAULO

 

Haddad mantém 49% e Serra chega a 36%, aponta Ibope

Pesquisa Ibope/Estado/TV Globo divulgada ontem mostra que o candidato José Serra (PSDB) oscilou três pontos porcentuais para cima, de 33% para 36%, e Fernando Haddad (PT) manteve 49% das intenções de voto na disputa pela Prefeitura de São Paulo. A diferença entre os dois caiu de 16 para 13 pontos em uma semana. Em votos válidos - excluídos os eleitores que pretendem votar nulo ou em branco - Haddad tem 57% e o tucano, 43%, ante 60% e 40% há uma semana. A margem de erro é de três pontos porcentuais. Nos últimos dias, Serra passou a atacar seu adversário com base no programa de governo do PT em relação ao setor de saúde. Pesquisa Datafolha, também divulgada ontem, indica que a vantagem de Haddad sobre Serra é de 15 pontos (49% a 34%) - há uma semana, era de 17 pontos. A margem de erro é dois pontos.

José Roberto de Toledo: Voto evangélico

Serra recuperou eleitores evangélicos. Cresceu 10 pontos nesse segmento em uma semana. Voltou ao patamar que tinha na 1ª pesquisa.

Erenice esteve dez vezes em gabinetes do TCU

Desde abril, a ex-ministra da Casa Civil e advogada Erenice Guerra esteve pelo menos dez vezes no Tribunal de Contas da União (TCU), onde vem discutindo com autoridades processo sobre a licitação das linhas interestaduais de ônibus do País, a cargo da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Relatório do setor de segurança da corte, obtido pelo Estado, mostra que a ex-braço direito da presidente Dilma Rousseff cumpriu mais de nove horas de compromissos no prédio do Anexo III, em Brasília, que abriga os gabinetes de ministros e secretarias técnicas responsáveis pela elaboração de auditorias.

O TCU confirmou ontem a atuação de Erenice no caso, revelada pelo Estado, que definirá o futuro de mais de 1.600 linhas de ônibus. Sob relatoria do ministro José Múcio, o processo analisa o primeiro estágio das concessões e foi julgado ontem pelo plenário. Seguindo o voto do relator, os ministros liberaram a realização dos leilões, programados pela ANTT para 2013.

Em nota, o TCU informou que Erenice esteve três vezes no gabinete de Múcio, na condição de advogada, para levantar informações sobre o andamento do processo, "especialmente quando iria entrar em pauta". Entretanto, como mostrou o Estado, ela não estava, à época das audiências, constituída como tal em nenhum processo em tramitação. O dado é do próprio tribunal, em resposta a consulta formulada por meio da Lei de Acesso à Informação.

No caso da concessão das linhas, a única parte constituída é a própria ANTT. Segundo as regras do TCU, só têm acesso a informações de um processo, até o julgamento, os advogados das partes, o que não é o caso de Erenice. Questionado ontem, o tribunal não se pronunciou a respeito, tampouco deu detalhes de qual cliente ela representava.

Petistas não retribuem nosso apoio, diz Campos

O governador de Pernambuco e presidente do PSB, Eduardo Campos, reclamou ontem que o PT não retribui na mesma proporção o apoio que recebe de seu partido no 2.º turno da eleição municipal. Apesar dessa avaliação, ele insistiu que as alianças do PSB com o PSDB não foram feitas em função das eleições de 2014.

"No 1.º turno o PSB foi o partido que mais apoiou o PT, mas só é notícia quando a gente não apoia. No 2.º turno, o PT disputa em 17 cidades e nós o apoiamos em 11. Nós disputamos em 8 cidades e só em 1 o PT nos apoia, desde o 1.º turno, que é o município de Duque de Caxias (RJ). E esse apoio só veio por uma ação direta da Executiva Nacional do PT e do próprio ex-presidente Lula. Isso é um fato real", afirmou o governador durante visita ao estande de Pernambuco de uma feira internacional de turismo que está sendo realizada no Rio.

Adesivos. Campos disse que na manhã de ontem conversou com o senador e ex-governador mineiro Aécio Neves (PSDB), que esteve em Campinas, interior de São Paulo, para apoiar o candidato socialista. Na conversa, Aécio repetiu a brincadeira de que nessas eleições usou mais adesivos do 40 (número do PSB) do que do 45 (número do PSDB).

"Recebemos o apoio do PSDB, no 2.º turno, em Uberaba (MG) e Campinas. Somos gratos por isso. Essas parcerias vêm de algum tempo, não são feitas em função das próximas eleições", disse o governador pernambucano.

Lula cita Bolsa-Família para criticar ACM Neto

A quatro dias do segundo turno, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou ontem a Salvador para tentar um último empurrão na candidatura de Nelson Pelegrino (PT). Na capital baiana, ACM Neto (DEM) aparece com 47% das intenções de voto ante 39% do petista, segundo o Ibope.

Sob forte calor, Lula participou de uma carreata de cerca de uma hora, seguida de curto comício, na periferia da cidade, e travou uma disputa pela paternidade do Bolsa-Família.

No discurso de pouco mais de seis minutos - ele foi para Cuiabá (MT) em seguida -, Lula não poupou ACM Neto de críticas, que respingaram também no atual prefeito da capital baiana, João Henrique Carneiro (PP). O ex-presidente acusou o candidato do DEM de mentir em relação ao programa social carro-chefe do governo federal.

"Agora, ele está contando uma mentira sórdida: que foi o avô dele quem criou o Bolsa-Família", comentou Lula, em alusão à campanha do DEM, no qual Neto diz ser a favor do Bolsa-Família por ele ter como origem o Fundo de Combate à Pobreza, criado pelo senador Antônio Carlos Magalhães (morto em 2007). "A Bolsa-Família que eles criaram foi outra, só atendeu a uma família, a deles."

Marina e Aécio pedem votos em Campinas

O 2.º turno da eleição em Campinas atraiu ontem para a cidade do interior paulista duas lideranças da política nacional. Na visita em apoio à candidatura de Jonas Donizette (PSB), o senador Aécio Neves (PSDB-MG), o mais cotado presidenciável tucano para 2014, tratou como natural a aliança PSB-PSDB. O petista Márcio Pochmann, por sua vez, recebeu o apoio da ex-senadora Marina Silva, que também desembarcou em Campinas.

Quatro dias depois de Dilma e de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lotarem duas praças em um ato da campanha de Pochmann, Aécio fez um comício improvisado na mesma região e procurou ressaltar afinidades dos tucanos com o PSB. Jonas tem como vice Henrique Magalhães, filiado ao PSDB.

"O que surpreende alguns é que em várias partes do Brasil, sem prejuízo da aliança nacional que o PSB tem hoje com a presidente Dilma, e eu respeito, é que há uma aliança muito natural do PSDB com o PSB, como aqui em Campinas e em Minas mesmo", disse.

Temas federais e estaduais dominam debate tenso

São Paulo ficou em segundo plano no debate entre Haddad e Serra, ontem. Temas federais e estaduais dominaram a discussão, que esquentou quando Serra citou o julgamento do mensalão no STF. Haddad atacou a segurança pública, dizendo que São Paulo vive uma “escalada da violência”. Ontem também, o debate sobre saúde ganhou as ruas. Folhetos que acusam o PT de querer o fim de parceria com organizações sociais foram distribuídos. Petistas fizeram blitze para negar a informação.

Carro terá desconto no IPI até fim do ano

Dilma Rousseff testa simulador de direção no Salão do Automóvel, em São Paulo; presidente anunciou a prorrogação do corte do IPI para os automóveis até 31 de dezembro e surpreendeu os executivos do setor, que esperavam a decisão para a próxima semana.

Relator diz que revisor advoga para réu no mensalão

A definição das penas que serão impostas pelo STF aos 25 condenados do mensalão provocou ontem a mais grave discussão entre Joaquim Barbosa e Ricardo Lewandowski. Barbosa chegou a afirmar que Lewandowski advogava para Marcos Valério. As discussões retardaram a sessão de ontem e confirmaram que o julgamento invadirá o mês de novembro. Na segunda sessão apenas para estabelecer as penas para Valério, o empresário foi condenado a 40 anos, um mês e seis dias.

Aloísio de Toledo César: Quem devolve nossos milhões?

As condenações criminais em curso no STF são um alívio para a sociedade. Falta tratar da devolução do dinheiro desviado pelo governo Lula.

Hillary quer ajuda do Brasil na Síria

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, afirmou ontem que o Brasil é um interlocutor importante para resolver a crise na Síria.

 

 

CORREIO BRAZILIENSE

 

STF condena Valério a 40 anos de prisão

O empresário também terá de pagar R$ 2,7 milhões de multa. Mas o cálculo ainda pode ser alterado. Falta o Supremo definir a pena de outros 24 réus e decidir se os deputados federais condenados perderão o mandato.

Previdência: Mensalão leva juiz a favorecer pensionista

Magistrado mineiro se baseia no julgamento de processo no STF para considerar que houve compra de votos na aprovação de proposta, nove anos atrás, e anular efeitos da reforma da Previdência. Ele deu ganho de causa a uma viúva, elevando o valor da pensão que ela recebe de R$ 2.575,71 para R$ 4.827,90. Cabe recurso da decisão.

Consumo: Mais dois meses de desconto no carro zero

Em visita ao Salão do Automóvel, em São Paulo, a presidente Dilma confirma a prorrogação do IPI reduzido até 31 de dezembro.

Demóstenes também pode ser demitido

Rodovias brasileiras estão piores, diz CNT

Pesquisa divulgada ontem pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) indica que cerca de dois terços das rodovias pavimentadas no país estão em condições péssimas, ruins ou regulares. As piores estradas estão concentradas na Região Norte, especialmente em Roraima, no Acre e no Amazonas. As melhores encontram-se em São Paulo, no Rio de Janeiro e no Paraná. De acordo com o estudo, a qualidade da malha rodoviária caiu em relação a 2011. No ano passado, 57,4% foram classificadas como regulares, ruins ou péssimas, frente a 62,7% este ano.

AIDS: Vírus HIV é reduzido com terapia

Pesquisa liderada pelo brasileiro Michel Nussenzweig usa a clonagem de anticorpos para barrar a doença. O método foi testado com sucesso em ratos.

MPF prioriza crise indígena

A disputa violenta por terras entre os guarani-kaiowá e fazendeiros, em Mato Grosso do Sul, será acompanhada pelo Ministério Público Federal.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!