Jornais: documentos mostram que EUA toleraram prática de tortura na ditadura

Preocupação maior era não prejudicar relações com aliado estratégico

O GLOBO

Documentos mostram que EUA toleraram prática de tortura na ditadura

Preocupação maior era não prejudicar relações com aliado estratégico

Em 43 relatos confidenciais enviados ao Departamento de Estado do governo americano pelas representações dos Estados Unidos no Brasil — embaixada e consulado — entre 1967 e 1977, fica demonstrado o conhecimento detalhado de tortura, mortes e desaparecimentos ocorridos no Brasil naqueles anos. Os documentos revelam a tolerância dos americanos com a repressão brasileira para evitar estremecer laços diplomáticos e interesses comerciais.

No início da década de 70, o governo dos EUA não condenou formalmente as violações praticadas no Brasil.

Num dos textos, as autoridades americanas demonstram conhecer como se davam as prisões dos “subversivos”, desde a abordagem policial a detalhes de tortura nas prisões. “Pego sob mira de armas e ordenado a seguir policiais. Tem as roupas tiradas e sentado sozinho numa cela escura ou refrigerada por várias horas (...) É colocado sem roupa numa cela pequena e escura em piso de metal por onde passam correntes elétricas. O choque sentido pelo indivíduo, apesar de ser leve e constante, se torna quase impossível de suportar (...) O seu destino é desconhecido por parentes por dias e semanas" diz um dos relatórios, de abril de 1973, do Consulado Geral americano no Rio.

Nesse mesmo relatório, os americanos relatam o expediente usado pelos agentes da ditadura do Brasil que, em alguns casos de assassinatos de opositores, fizeram as mortes parecerem ser resultado de resistência à prisão e troca de tiros. Nesse trecho, é dito que essa prática visa a amenizar na imprensa internacional a repercussão da morte por tortura dos principais líderes da resistência ao governo militar.

Rio não se livra de poluição visual

Vargas encaminhou projeto da Labogen

Em depoimento ao Conselho de Ética nesta quarta-feira, Leonardo Meirelles, que se apresentou como sócio majoritário do laboratório Labogen, afirmou que foi apresentado ao deputado André Vargas (sem partido-PR) pelo doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava-Jato da Polícia Federal e que foi Vargas quem o ajudou nos contatos entre o laboratório e o Ministério da Saúde. Meirelles, no entanto, reagiu quando perguntado se Vargas teria feito a intermediação entre a empresa e o Ministério.

— Não teve intermediação. Mostrei o projeto a ele (Vargas) e o encaminhamento foi pura e exclusivamente técnico — disse o empresário, afirmando primeiro que tinha conhecido Vargas em São Paulo, mas que encontrou-se com ele em Brasília para mostrar o projeto que serviria de base para o convênio com o Ministério da Saúde.

Blatter, agora, elogia o Brasil

Felipão ainda faz experiências

Executiva Nacional do DEM anula apoio do partido a Arruda no Distrito Federal

A Executiva Nacional do DEM anulou a aliança do DEM do Distrito Federal em torno da candidatura do ex-governador José Roberto Arruda (PR) ao governo. No último domingo, em convenção realizada em Taguatinga, Arruda teve seu nome oficializado com a inclusão do DEM na coligação. O presidente regional do DEM, Alberto Fraga, estava lá e discursou em nome do partido.

O presidente nacional do DEM, senador José Agripino Maia (RN), encaminhou ofício nesta quarta-feira ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF), comunicando a decisão da direção nacional. Arruda se desfiliou do DEM na época do escândalo do mensalão da legenda, mas o partido já havia decidido expulsá-lo.

- Dar apoio a Arruda era inaceitável - disse o líder do DEM na Câmara, deputado Mendonça Filho (PE), que participou da decisão.

Eduardo Campos prevê arrecadar R$ 150 milhões na campanha

O candidato à Presidência da República pelo PSB, Eduardo Campos, apresenta nesta quinta-feira as diretrizes de seu programa de governo e faz o registro de sua candidatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Das 60 páginas do caderno, apenas cinco páginas - uma espécie de apresentação assinada por Campos e sua vice, Marina Silva - são novas em relação às diretrizes que os dois haviam apresentado em evento no início do ano. O prazo para o registro dos programas dos candidatos termina no sábado.

Campos também irá apresentar, junto ao registro de sua candidatura e ao programa de governo, documentos com sua declaração patrimonial e com a previsão de arrecadação para a campanha, de R$ 150 milhões. O secretário-geral do PSB, Carlos Siqueira, admite que o valor é alto, mas ressalta que os custos da campanha são elevados.

— Esse valor é apenas uma referência, como quando se faz um orçamento. Mas o valor é alto, precisamos primeiro encontrar uma forma de baratear as campanhas e diminuir esse custo. Vamos lutar para chegar ao teto porque sabemos que os custos são muito altos - afirmou Siqueira.

Na apresentação, Campos e Marina traçam um panorama dos avanços econômicos e sociais das últimas décadas e afirmam reiteradamente sua preocupação com a melhoria do sistema democrático. Eles fazem referências às manifestações de junho do ano passado.

Datafolha: Dilma cresce, Aécio e Campos oscilam na margem de erro

Segundo pesquisa encomendada pelo jornal Folha de S. Paulo, presidente subiu quatro pontos percentuais

Pesquisa Datafolha encomendada pelo jornal 'Folha de S. Paulo' aponta que a presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff, do PT, cresceu de 34% para 38%. Aécio Neves, do PSDB, variou de 19% para 20%, e Eduardo Campos, do PSB, oscilou de 7% para 9%. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos para mais ou para menos.

O candidato do PSC, pastor Everaldo, mantém os 4% de intenções de voto da pesquisa de junho, seguido por José Maria (PSTU), com 2%; e Eduardo Jorge (PV), Mauro Iasi (PCB) e Luciana Genro (PSOL), com 1% cada. Os outros presidenciáveis não chegaram a pontuar.

Ainda segundo a pesquisa encomendada pela Folha, os votos nulos e brancos caíram de 17% para 13%. O Datafolha ouviu 2.857 eleitores em 177 municípios entre terça e quarta-feira.

A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-00194/2014.

Dirceu, da cadeia para ao escritório

Pelo contrato de trabalho, ex-ministro deverá trabalhar das 9 às 18 horas, com direito a duas horas de almoço

O ex-ministro José Dirceu deixou o Centro de Progressão Penintenciária do Distrito Federal na manhã desta quinta-feira para o seu primeiro dia de trabalho, após a prisão pela condenação no processo do mensalão. Dirceu deixou o prédio sozinho, às 7h25m, e entrou em uma caminhonente Hilux preta. Ele vestia paletó cinza escuro, calça jeans e camisa azul. O petista vai trabalhar no escritório do advogado José Gerardo Grossi. Pelo contrato de trabalho, Dirceu deverá trabalhar das 9 às 18 horas, com direito a duas horas de almoço. O ex-ministro terá como atribuição organizar a biblioteca do escritório que, segundo Grossi, está bagunçada. Dirceu, que foi o principal ministro da primeira fase do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, terá salário de R$ 2,1 mil por mês.

— Minha biblioteca está uma bagunça. Se ele quiser trabalhar, terá muito trabalho. Se não quiser, será mandado embora como qualquer outro funcionário — disse Grossi.

O advogado disse também estar consciente de que a presença de Dirceu em seu escritório atrairá a atenção da imprensa, sobretudo nestes primeiros dias. Mas ele entende que esse é um movimento previsível. O ex-ministro é um político muito conhecido. A informação de que Dirceu tem autorização judicial e pode começar a trabalhar amanhã foi repassada a Grossi pela advogada Ana Luiza Souza.

— É natural que isso (o assédio da imprensa) aconteça. O Zé virou a Geni, do Chicio Buarque — brinca Grossi, numa referência as críticas que o ex-ministro vem recebendo desde o início do processo do mensalão.

 

FOLHA DE S.PAULO

Copa melhora o humor do país, e Dilma cresce

Petista vai de 34% para 38%, aponta pesquisa Datafolha; apesar do avanço da presidente, chance de 2º turno é maior

A Copa do Mundo mudou o humor geral dos brasileiros e parece estar influenciando a avaliação do governo, as expectativas econômicas e até a eleição presidencial. No plano político, a presidente Dilma Rousseff (PT) é a maior beneficiada.

Pesquisa Datafolha finalizada nesta quarta-feira (2) mostra que a proporção de eleitores favoráveis à Copa no Brasil subiu de 51% para 63% em um mês. O orgulho com a realização do Mundial saltou de 45% para 60%.

De carona nisso, as intenções de voto em Dilma avançaram de 34% para 38% --a maior variação entre todos os concorrentes-- e a aprovação do governo variou positivamente, de 33% para 35%.

No mesmo período, o senador Aécio Neves (PSDB) oscilou de 19% para 20%. E Eduardo Campos (PSB) foi de 7% para 9%, deixando assim a posição de empate técnico com Pastor Everaldo (PSC), estacionado em 4%.

Nova ala

Transferido da Papuda, o petista José Dirceu fala com advogada no Centro de Progressão Penitenciária, em Brasília, onde cumprirá o regime semiaberto. Um tradicional escritório de advocacia de Brasília se preparou para receber nesta quinta (3) José Dirceu, preso desde novembro do ano passado, depois de ter sido condenado no processo do mensalão.

Das 9h às 18h, o ex-ministro da Casa Civil do governo Lula vai ajudar a organizar documentos e livros e a fazer serviços administrativos.

Ele deve trabalhar ao lado de outras duas auxiliares, segundo o advogado José Gerardo Grossi, dono do escritório e amigo de Dirceu. O salário combinado é de R$ 2.100.

Nesta quarta (2), Dirceu foi transferido do Complexo Penitenciário da Papuda, na capital federal, para o CPP (Centro de Progressão Penitenciária), presídio destinado a presos do regime semiaberto.

Produção da indústria patina e tem a terceira queda seguida

A produção da indústria caiu 3,2% em maio na comparação com igual mês de 2013 -foi a terceira queda seguida. Em relação a abril, a retração foi de 0,6%

Minha Casa terá nova faixa de renda intermediária

O governo lançará nesta quinta (3) o Minha Casa, Minha Vida 3 com uma nova faixa de renda intermediária. Ela deve atender famílias que ganham de R$ 1.448 a R$ 2.172

Polícia de SP prende manifestante que atacou loja de carros

A Polícia Civil prendeu um homem que depredou uma loja de carros de luxo em São Paulo, em ato do Movimento Passe Livre. Segundo a polícia, João Alves da Roza, 46, já havia sido preso por crimes como receptação e porte ilegal de arma

À força

Na madrugada de quarta, torcedores se afastam após bomba de gás ser lançada por PMs para liberar rua na Vila Madalena; segundo a polícia, não houve feridos

Corrida ao governo de São Paulo poderá custar até R$ 280 mi

A disputa pelo governo paulista poderá custar até R$ 280 milhões aos cofres dos três principais partidos na corrida eleitoral: PSDB, PMDB e PT. A estimativa representa um aumento de 43% em relação ao teto estabelecido nas eleições de 2010.

Com o maior tempo para propaganda no rádio e na TV, o presidente licenciado da Fiesp, Paulo Skaf (PMDB), é quem prevê as maiores despesas: R$ 95 milhões.

Debutante em disputas eleitorais e afilhado político do ex-presidente Lula, Alexandre Padilha (PT) definiu um teto de R$ 92 milhões. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) prevê gastos de até R$ 90 milhões para a reeleição.

Dados dos EUA frustram Comissão da Verdade

O primeiro lote de documentos enviados ao Brasil pelo governo dos EUA sobre a ditadura militar (1964-1985) não faz nenhuma nova revelação sobre o período. Anunciada com pompa pela Casa Branca como um gesto para tentar melhorar a relação entre os dois países, estremecida após a crise de espionagem, a entrega dos documentos foi feita pelo vice-presidente Joe Biden em visita ao país no mês passado.

Biden trouxe 43 relatórios, repassados ao Itamaraty, mas cujo destino final era a Comissão Nacional da Verdade --eles abrangem um período de dez anos, de 1967 a 1977. Nessa quarta-feira (2), o grupo abriu toda a papelada na internet (www.cnv.gov.br). (...) Somente 18 deles foram desclassificados em maio deste ano e são referentes a episódios ocorridos entre 1967 e 1974, período de maior violência da repressão nos 21 anos de ditadura. Mas não há qualquer informe relevante.

 

O GLOBO

Documentos mostram que EUA toleraram prática de tortura na ditadura

Preocupação maior era não prejudicar relações com aliado estratégico

Em 43 relatos confidenciais enviados ao Departamento de Estado do governo americano pelas representações dos Estados Unidos no Brasil — embaixada e consulado — entre 1967 e 1977, fica demonstrado o conhecimento detalhado de tortura, mortes e desaparecimentos ocorridos no Brasil naqueles anos. Os documentos revelam a tolerância dos americanos com a repressão brasileira para evitar estremecer laços diplomáticos e interesses comerciais.

No início da década de 70, o governo dos EUA não condenou formalmente as violações praticadas no Brasil.

Num dos textos, as autoridades americanas demonstram conhecer como se davam as prisões dos “subversivos”, desde a abordagem policial a detalhes de tortura nas prisões. “Pego sob mira de armas e ordenado a seguir policiais. Tem as roupas tiradas e sentado sozinho numa cela escura ou refrigerada por várias horas (...) É colocado sem roupa numa cela pequena e escura em piso de metal por onde passam correntes elétricas. O choque sentido pelo indivíduo, apesar de ser leve e constante, se torna quase impossível de suportar (...) O seu destino é desconhecido por parentes por dias e semanas" diz um dos relatórios, de abril de 1973, do Consulado Geral americano no Rio.

Nesse mesmo relatório, os americanos relatam o expediente usado pelos agentes da ditadura do Brasil que, em alguns casos de assassinatos de opositores, fizeram as mortes parecerem ser resultado de resistência à prisão e troca de tiros. Nesse trecho, é dito que essa prática visa a amenizar na imprensa internacional a repercussão da morte por tortura dos principais líderes da resistência ao governo militar.

Rio não se livra de poluição visual

Vargas encaminhou projeto da Labogen

Em depoimento ao Conselho de Ética nesta quarta-feira, Leonardo Meirelles, que se apresentou como sócio majoritário do laboratório Labogen, afirmou que foi apresentado ao deputado André Vargas (sem partido-PR) pelo doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava-Jato da Polícia Federal e que foi Vargas quem o ajudou nos contatos entre o laboratório e o Ministério da Saúde. Meirelles, no entanto, reagiu quando perguntado se Vargas teria feito a intermediação entre a empresa e o Ministério.

— Não teve intermediação. Mostrei o projeto a ele (Vargas) e o encaminhamento foi pura e exclusivamente técnico — disse o empresário, afirmando primeiro que tinha conhecido Vargas em São Paulo, mas que encontrou-se com ele em Brasília para mostrar o projeto que serviria de base para o convênio com o Ministério da Saúde.

Blatter, agora, elogia o Brasil

Felipão ainda faz experiências

Executiva Nacional do DEM anula apoio do partido a Arruda no Distrito Federal

A Executiva Nacional do DEM anulou a aliança do DEM do Distrito Federal em torno da candidatura do ex-governador José Roberto Arruda (PR) ao governo. No último domingo, em convenção realizada em Taguatinga, Arruda teve seu nome oficializado com a inclusão do DEM na coligação. O presidente regional do DEM, Alberto Fraga, estava lá e discursou em nome do partido.

O presidente nacional do DEM, senador José Agripino Maia (RN), encaminhou ofício nesta quarta-feira ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF), comunicando a decisão da direção nacional. Arruda se desfiliou do DEM na época do escândalo do mensalão da legenda, mas o partido já havia decidido expulsá-lo.

- Dar apoio a Arruda era inaceitável - disse o líder do DEM na Câmara, deputado Mendonça Filho (PE), que participou da decisão.

Eduardo Campos prevê arrecadar R$ 150 milhões na campanha

O candidato à Presidência da República pelo PSB, Eduardo Campos, apresenta nesta quinta-feira as diretrizes de seu programa de governo e faz o registro de sua candidatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Das 60 páginas do caderno, apenas cinco páginas - uma espécie de apresentação assinada por Campos e sua vice, Marina Silva - são novas em relação às diretrizes que os dois haviam apresentado em evento no início do ano. O prazo para o registro dos programas dos candidatos termina no sábado.

Campos também irá apresentar, junto ao registro de sua candidatura e ao programa de governo, documentos com sua declaração patrimonial e com a previsão de arrecadação para a campanha, de R$ 150 milhões. O secretário-geral do PSB, Carlos Siqueira, admite que o valor é alto, mas ressalta que os custos da campanha são elevados.

— Esse valor é apenas uma referência, como quando se faz um orçamento. Mas o valor é alto, precisamos primeiro encontrar uma forma de baratear as campanhas e diminuir esse custo. Vamos lutar para chegar ao teto porque sabemos que os custos são muito altos - afirmou Siqueira.

Na apresentação, Campos e Marina traçam um panorama dos avanços econômicos e sociais das últimas décadas e afirmam reiteradamente sua preocupação com a melhoria do sistema democrático. Eles fazem referências às manifestações de junho do ano passado.

Datafolha: Dilma cresce, Aécio e Campos oscilam na margem de erro

Segundo pesquisa encomendada pelo jornal Folha de S. Paulo, presidente subiu quatro pontos percentuais

Pesquisa Datafolha encomendada pelo jornal 'Folha de S. Paulo' aponta que a presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff, do PT, cresceu de 34% para 38%. Aécio Neves, do PSDB, variou de 19% para 20%, e Eduardo Campos, do PSB, oscilou de 7% para 9%. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos para mais ou para menos.

O candidato do PSC, pastor Everaldo, mantém os 4% de intenções de voto da pesquisa de junho, seguido por José Maria (PSTU), com 2%; e Eduardo Jorge (PV), Mauro Iasi (PCB) e Luciana Genro (PSOL), com 1% cada. Os outros presidenciáveis não chegaram a pontuar.

Ainda segundo a pesquisa encomendada pela Folha, os votos nulos e brancos caíram de 17% para 13%. O Datafolha ouviu 2.857 eleitores em 177 municípios entre terça e quarta-feira.

A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-00194/2014.

Dirceu, da cadeia para ao escritório

Pelo contrato de trabalho, ex-ministro deverá trabalhar das 9 às 18 horas, com direito a duas horas de almoço

O ex-ministro José Dirceu deixou o Centro de Progressão Penintenciária do Distrito Federal na manhã desta quinta-feira para o seu primeiro dia de trabalho, após a prisão pela condenação no processo do mensalão. Dirceu deixou o prédio sozinho, às 7h25m, e entrou em uma caminhonente Hilux preta. Ele vestia paletó cinza escuro, calça jeans e camisa azul. O petista vai trabalhar no escritório do advogado José Gerardo Grossi. Pelo contrato de trabalho, Dirceu deverá trabalhar das 9 às 18 horas, com direito a duas horas de almoço. O ex-ministro terá como atribuição organizar a biblioteca do escritório que, segundo Grossi, está bagunçada. Dirceu, que foi o principal ministro da primeira fase do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, terá salário de R$ 2,1 mil por mês.

— Minha biblioteca está uma bagunça. Se ele quiser trabalhar, terá muito trabalho. Se não quiser, será mandado embora como qualquer outro funcionário — disse Grossi.

O advogado disse também estar consciente de que a presença de Dirceu em seu escritório atrairá a atenção da imprensa, sobretudo nestes primeiros dias. Mas ele entende que esse é um movimento previsível. O ex-ministro é um político muito conhecido. A informação de que Dirceu tem autorização judicial e pode começar a trabalhar amanhã foi repassada a Grossi pela advogada Ana Luiza Souza.

— É natural que isso (o assédio da imprensa) aconteça. O Zé virou a Geni, do Chicio Buarque — brinca Grossi, numa referência as críticas que o ex-ministro vem recebendo desde o início do processo do mensalão.

 

O ESTADO DE S.PAULO

Datafolha mostra Dilma de volta aos 38% e indica estabilidade

Nada indica que a intenção de voto da presidente Dilma Rousseff (PT) tenha crescido após o início da Copa do Mundo, assim como nada indicava que ela havia caído antes de o campeonato começar. A pesquisa anterior do Datafolha foi um ponto fora da curva – talvez porque foi feita em meio a uma série de greves e manifestações que alteraram o perfil de quem passa pelos pontos de fluxo usados pelo instituto.

Candidatos à reeleição fazem mutirão de inaugurações

Membro da Fifa liderava esquema de ingressos

Um dia de Rei para o boleiro Pikachu

Parecer vê confiança "cega" de Dilma no caso Pasadena

Entrada de dólar cai 64% no 1o. semestre

 

VALOR ECONÔMICO

Lei dá força à Receita para taxação de bônus em ações

Norma aborda pela primeira vez venda de ações a empregados

Mundial acalma até hipocondríacos

A Copa acalmou até os hipocondríacos. As vendas de medicamentos para doenças crônicas, como hipertensão e diabetes, e de medicamentos comercializados sem receita, como analgésicos, caíram em junho, segundo empresas do setor. O comércio em geral perdeu faturamento com a Copa

Produção da indústria vai cair em 2014

Com metade do ano transcorrido e poucos fatores que possam ajudar no segundo semestre, 2014 deve fechar com queda na produção industrial. Foi o terceiro mês consecutivo de queda. A expectativa é de desempenho fraco também em junho, em parte devido aos feriados da Copa

Aécio reúne apoio que elegeu FHC

Aécio Neves já tem o apoio do PMDB em cinco Estados. Em outros três, o partido, oficialmente coligado ao PT, está com o PSDB, mas o palanque é "aberto" a aliados de Aécio e a Dilma. Desde o governo FHC, esta é a primeira vez que um candidato do PSDB consegue reunir um arco de apoio amplo

Aécio volta a juntar forças políticas que ajudaram a eleger FHC

Tucano conseguiu unir a legenda em São Paulo, atrair DEM, PSD e parte do PMDB

Para Alckmin, PSDB polariza com Maluf em São Paulo

Apoio do PMDB a Dilma atingirá dois terços do eleitorado nacional

Em 12 Estados, com 57% dos votantes, partido estará em palanque exclusivo da presidente, além de outros cinco, com 15%, onde adesão é compartilhada com adversários da petista

Presidente anuncia investimentos no Espírito Santo

Governo faz superentrega de casas em 7 Estados e no DF

Câmara aprova regras para parcerias com ONGs

Denúncias de irregularidades nos convênios atingiram o governo Dilma e levaram à troca de ministros

Votação da LDO volta a ser adiada

Vereadores de SP corrigem emendas do Plano Diretor

CCJ decidiu que uma nova votação seria necessária para corrigir o texto finalizado com imprecisões

Perseverança

Janet Yellen, presidente do Fed, o banco central americano, deixou claro, em um debate com Christine Lagarde, diretora-gerente do FMI (à esquerda), que não vai elevar juros porque não considera essa a melhor opção para conter bolhas de ativos e lidar com instabilidade financeira

CVM permite à Biosev adiar oferta pública

A Biosev, empresa sucroalcooleira do grupo francês Louis Dreyfus, conseguiu autorização da CVM para adiar por até 18 meses a realização de uma oferta pública de aquisição de ações

Sócios da Oi podem rever fusão se PT sofrer calote

Os sócios brasileiros da Oi devem rediscutir os termos da fusão com a Portugal Telecom (PT) caso a operadora portuguesa sofra um calote da Rioforte, holding do Grupo Espírito Santo

Anglo conclui Minas-Rio com gasto de R$ 30 bilhões

Maior investimento da empresa de mineração Anglo American, o projeto Minas-Rio, produção de minério de ferro em Minas Gerais e embarque no litoral fluminense, está com 90% das obras prontas

 

CORREIO BRAZILIENSE

Mensaleiro abre mão do trabalho externo para cuidar de gado na prisão

O ex-deputado federal Pedro Corrêa, um dos condenados na Ação Penal 470, abriu mão do benefício do trabalho externo para cuidar do rebanho da Fazenda Nascimento, que faz parte do Centro de Ressocialização de Canhotinho, onde está detido, no agreste de Pernambuco. Autorizado desde a semana passada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a voltar a trabalhar como médico em uma clínica de radiologia, o ex-parlamentar informou ao diretor do centro, Washington Gomes, que prefere continuar as atividades dentro da penitenciária. Corrêa é o responsável pela cocheira da fazenda.

“Não sei se ele vai reconsiderar a decisão, mas, por enquanto, disse que prefere continuar com as atividades aqui”, informou o diretor. Segundo Washington Gomes, o mensaleiro cuida das instalações, da limpeza, da contagem e da vacinação de 123 animais, entre vacas e bois. Segundo o diretor, ele também dá banho no rebanho. A remuneração é de R$ 420 mensais. Na clínica de radiologia, o salário estimado era de R$ 3,1 mil, e ele atuaria como médico das 8h às 15h30 para chegar à unidade prisional às 16h.

Apesar da diferença financeira, o local de trabalho pouco importa para a remissão da pena. Isso significa que, a cada três dias trabalhados, é diminuído um no tempo de prisão. Condenado a sete anos e dois meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Pedro Corrêa está detido desde 27 de dezembro do ano passado. Primeiro, ele foi levado com algemas para o Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), onde há mais de 2 mil presidiários. Passou o ano-novo no local e, em 8 de janeiro, foi transferido para Canhotinho.

A capital do Brasil não é Buenos Aires, mas...

Mais de 100 mil argentinos devem invadir Brasília para apoiar Messi & Cia, sábado, às 13h, contra a Bélgica. A Polícia Federal vai reforçar a segurança e monitorar os barra-bravas, os temidos torcedores do país vizinho.

Dirceu sai da Papuda e deve trabalhar hoje

Ex-ministro deve iniciar expediente administrativo em escritório de advocacia. Vai receber salário de R$ 2,1 mil.

Brasileiro gasta muito com dinheiro vivo

Uso frequente de cédulas e moedas é um sintoma de inflação. Com preços altos, é preciso mais real para consumir.

Indústria recua mais e enfraquece o PIB

A produção encolheu 0,6% em maio. Aumenta a expectativa de PIB negativo no segundo trimestre.

Mais sobre ditadura militar

Assine a Revista Congresso em Foco em versão digital ou impressa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!