Jornais: Brasil se divide sobre impostos e papel do governo

Metade do país prefere ter mais benefícios estatais, enquanto a outra metade opta por dependência menor

FOLHA DE S.PAULO

Brasil se divide sobre impostos e papel do governo

Datafolha mostra que metade do país prefere ter mais benefícios estatais, enquanto a outra metade opta por dependência menor. Nada divide tanto os brasileiros como a concepção do papel que o Estado deve ter em suas vidas. É o que mostra a mais completa pesquisa do Datafolha sobre as inclinações ideológicas do país.

Confrontados com afirmações antagônicas sobre vários temas, as pessoas se dividiram simetricamente ao falar de suas relações com o Estado.

Para 47%, quanto mais benefícios receber do governo, melhor. Para outros 47%, quanto menos a pessoa depender do governo, melhor.

No Nordeste, a região mais pobre do país, e entre pessoas que recebem até dois salários mínimos, estrato mais baixo de renda, a preferência pela ajuda do governo atinge 53%.

Outra questão que divide bastante a população tem a ver com a elevada carga tributária do país e a qualidade dos serviços que o governo oferece. Para 49%, seria preferível pagar menos tributos e contratar serviços particulares de saúde e educação.

Esquerda deu mais respaldo a Barbosa

O Datafolha perguntou se o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, agiu bem ou mal ao determinar a prisão de alguns dos condenados no julgamento do mensalão no feriado de 15 de novembro. O maior índice de aprovação foi entre os esquerdistas, com 88% deles respondendo que agiu bem. Na direita, a aprovação também foi alta, mas com com 74%.

Nas alturas

Enrijecer e elevar glúteos são prioridades de mulheres no Rio

Após 20 anos, OMC fecha seu primeiro acordo comercial global

Modesto, pacote representa menos de 10% do previsto na Rodada Doha

Rua da casa de Mandela vira improvisado e festivo calçadão

Ex-presidente será velado de quarta a sexta-feira, com cortejos fúnebres diários

Gasolina pode voltar a subir em 2014, afirma Graça Foster

Na semana em que as ações da empresa desabaram, presidente da estatal diz que esperava mais compreensão do mercado

Outros Amarildos

Repercussão da morte do pedreiro estimula luta de mulheres por justiça

 

O GLOBO

UPPs têm a menor taxa de homicídios do Brasil

O programa das UPPs completa cinco anos este mês com levantamento que aponta uma queda drástica dos números de assassinatos. Estatísticas oficiais mostram que em 29 comunidades que têm 18 UPPs, a taxa de homicídios foi de 8,7 por cem mil habitantes em 2012, a menor de todo o país se considerados as capitais e os estados, revelam Carla Rocha, Selma Schmidt e Sérgio Ramalho. O número é inferior aos do Brasil (24,3) da cidade do Rio (18) e de Washington, a capital americana (19) e já não á considerado endêmico pela ONU. No Dona Marta, primeira UPP do Rio, não ocorrem homicídios há cinco anos.

OMC fecha 1º acordo em 20 anos

A Organização Mundial do Comércio (OMC) chegou a um acordo descrito como histórico pelo diretor-geral da entidade, o brasileiro Roberto Azevêdo. O entendimento, apoiado por 159 países, pode aumentar em US$ 1 trilhão o comércio global.

Frustração na sombra de Mandela

Na aldeia onde ele nasceu e na academia de boxe em Soweto onde treinou, reverência à trajetória de Mandela convive com o desalento de jovens pelas dificuldades ainda enfrentadas por negros no pais.

SUS só alcança 30% dos presos

Cuidados médicos, como os que pede o ex-deputado José Genoino, são inacessíveis a 70% da população carcerária, passados 10 anos de plano que inclui presos no SUS.

O sonho traído de Chico Mendes

Vinte e cinco anos depois do assassinato do ambientalista Chico Mendes, a reserva que leva seu nome está ameaçada por pecuária e retirada ilegal de madeira, revela Chico Otavio. A produção de borracha no Acre despencou de 12 mil toneladas anuais para 470. No sindicato presidido pelo líder seringueiro, 80% dos associados hoje criam gado – entre eles, dois filhos do fazendeiro que mandou mata-lo.

 

O ESTADO DE S. PAULO

Acordo inédito na OMC tenta frear iniciativas regionais

Organização Mundial do Comércio (OMC) fechou ontem, em Bali, o primeiro acordo em quase 20 anos e, com isso, evitou que Europa e Estados Unidos se lançassem apenas em negociações regionais sem a participação dos países emergentes, relata o correspondente Jamil Chade. O entendimento abre caminho para a injeção de US$ 1 trilhão na economia mundial ao desbloquear processos aduaneiros. Segundo economistas, também deve criar 21 milhões de postos de trabalho. Mas, acima de tudo, salva a credibilidade da OMC. O Itamaraty saiu de Bali com o que considera uma vitória porque temia perder participação no mercado internacional. Apesar de ser só a “ponta do iceberg”, o tom ontem era de comemoração pelo significado político do tratado. “Pela primeira vez na história, chegamos a um acordo”, comemorou o diretor da entidade, o brasileiro Roberto Azevêdo.

Ministros investem em reduto eleitoral

Ministros do governo Dilma Rousseff que vão deixar o cargo para se candidatar em 2014 estão investindo nos redutos eleitorais, informam João Domingos e Bernardo Caram. Pelo menos sete têm adotado a estratégia de liberar verba para seus Estados ou participado de eventos não ligados às suas áreas. Candidato ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha (PT) visita cidades paulistas para se tornar mais conhecido.

Dilma convida ex-presidentes para funeral

A presidente Dilma Rousseff decidiu convidar os ex-presidentes brasileiros para acompanhá-la em viagem a Johanesburgo, onde será celebrada missa em homenagem ao líder sul-africano Nelson Mandela, morto quinta-feira. José Sarney, Fernando Henrique Cardoso e Lula confirmaram presença. Segundo o Estado apurou, Fernando Collor também deve integrar a comitiva brasileira.

CBF luta contra tempo e chuvas

As obras na Granja Comary, Teresópolis, a casa da seleção do Brasil durante a preparação e o início da Copa, sofrem com a chuva freqüente na região serrana do Rio. A CBF não sabe quando poderá entregar as chaves ao técnico Luiz Felipe Scolari.

Eleição vai medir aprovação de Maduro

Explorando dúvidas sobre a sanidade e aprovação do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, a oposição quer impor ao chavismo derrota na eleição.

Pressão sobre a Amazônia

O desmatamento na Amazônia tem aumento de 28% entre agosto de 2012 e julho de 2013, informa Lourival Sant’Anna. Os problemas ambientais e fundiários se confundem e sem títulos de terras, cresce a exploração do sul do Amazonas.

Centro para morador de rua vira ‘cortiço’

São Paulo escolhe hoje conselhos regionais

Menos inovação

Um estudo do IBGE mostrou queda no porcentual de indústrias que inovam. Na prática, isso significa perda de competitividade.

Aids: longe de um mar de rosas

No ano em que a descoberta do HIV completou 30 anos, ainda há muito a fazer. Não é só dar remédio e achar que está tudo bem.

 

CORREIO BRAZILIENSE

O lucrativo negócio da prostituição VIP

Moradoras de bairros nobres, garotas de programa que trabalhavam para as cafetinas presas na Operação Red Light faturavam alto — suficiente para cursar faculdade particular, estudar línguas, comprar roupas de grife e malhar em academias de luxo. Elas não querem ser confundidas com "periguetes". Quando o cliente era político, não raramente essas mulheres migravam de ramo, passando a exercer funções discretas no Congresso. A principal vitrine do esquema de agenciamento eram sites, nos quais algumas valorizavam o cachê por terem sido "capa de revista”. Entre as mais jovens, persiste um sonho: tornar-se uma "pretty woman” esse casar com o amante.

Calor e TV levam Fifa a mudar horários da Copa

Passado apenas um dia do sorteio que definiu os grupos e os jogos, sete confrontos foram remanejados, com destaque para os ocorridos em Manaus e Recife. Ontem mesmo, as delegações do Equador e da Colômbia fizeram o reconhecimento do Mané Garrincha, que sediará quatro partidas da primeira fase do torneio.

Uma década para o verde

Entenda os principais pontos do debate ambiental no mundo

Indicadores sinalizam um 2014 difícil

Com índices semelhantes aos registrados no auge da crise mundial de 2008, a economia brasileira segue combalida. Inflação aquecida, alta do dólar, juros pesados e superavit primário irrisório formam um quadro desanimador.

A batalha pela vida no dia a dia das equipes do Samu

Lembranças da visita de Mandela

O líder sul-africano esteve na UnB, em 1991, para receber o título de Doutor Honoris Causa. Joseana Paganine, então aluna, teve a missão de fotografá-lo.

Na cadeia: Iate Clube pode cassar mensaleiro

O estatuto do clube brasiliense prevê a expulsão de sócios condenados pela Justiça, caso do ex-deputado Valdemar Costa Neto.

Comércio: OMC acaba com impasse de 20 anos

Com a importante atuação do brasileiro Roberto Azevêdo, a organização chegou ao acordo que injetará US$ 1 trilhão na economia mundial.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!