Joaquim Barbosa manda repórter “chafurdar no lixo”

Presidente do STF se irrita com jornalista do Estadão ao ser questionado sobre críticas dirigidas contra ele por entidades de magistrados

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, mandou um repórter do jornal O Estado de S. Paulo “chafurdar no lixo” ao ser questionado sobre as críticas dirigidas a ele por entidades de magistrados. Joaquim se irritou ao ser abordado hoje (5) no encerramento de uma reunião do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), também presidido por ele. O áudio da conversa foi divulgado nesta tarde no site do Estadão.

Segundo o jornal, o ministro ainda chamou o repórter de “palhaço” logo em seguida, após se distanciar do repórter. Esta parte, porém, não é captada pela gravação divulgada.

Ouça a conversa

“Presidente, como o senhor está vendo…”, começou a perguntar o repórter. “Não estou vendo nada”, interrompeu o ministro. Após nova tentativa do jornalista em fazer a pergunta, Joaquim perdeu a paciência: “Me deixa em paz, rapaz. Vá chafurdar no lixo como você faz sempre”. “Que é isso ministro, o que houve?”, questionou o jornalista. “Estou pedindo, me deixe em paz. Já disse várias vezes ao senhor”, prosseguiu o ministro. O repórter afirmou que perguntar fazia parte de seu trabalho. “Eu não tenho nada a lhe dizer, não quero nem saber do que o senhor está tratando”, retrucou o ministro.

Segundo o Estadão, a assessoria de imprensa do ministro pediu a ele que seguisse em frente, afastando-se dos jornalistas. Foi quando, de acordo com o jornal, ele chamou o repórter de “palhaço”.

O grupo de jornalistas queria repercutir com Joaquim Barbosa as críticas feitas a ele por três entidades de magistrados, em resposta a uma entrevista concedida por ele a correspondentes estrangeiros. Na entrevista, ele criticou cultura “pró-impunidade” de juízes, o sistema prisional e regras de prescrição vigentes. Disse ainda que povo se cansou de “políticos profissionais” e defendeu o julgamento de militares envolvidos nos crimes da ditadura.

Este não é o primeiro desentendimento de Joaquim com jornalistas. No ano passado, durante o julgamento do mensalão, o ministro pediu a um repórter do Estadão que parasse de fazer “fofoquinhas” e “procurar intrigas”. Ele também criticou um repórter negro que, segundo ele, estava replicando estereótipos racistas ao perguntar se ele estava sereno no novo cargo.

Veja ainda:

A íntegra da polêmica entrevista de Joaquim

A íntegra da nota divulgada pelas entidades de magistrados

Tudo sobre mensalão

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!