Jilmar Tatto (PT-SP)

O que há sobre o parlamentar no STF

É investigado no inquérito 3033 por ter contratado, como secretário municipal de Transportes de São Paulo, serviços sem licitação durante a gestão de Marta Suplicy (2001-05). O advogado dele, David Rechulski, diz que não houve prejuízo ao erário e que a dispensa foi assinada por Tatto com base em um parecer jurídico e em um laudo econômico-financeiro.

A defesa afirma que denúncias de improbidade administrativa pelos mesmos fatos foram arquivadas nos tribunais de Justiça e de Contas de São Paulo. Rechulski credita as acusações a uma comissão de fiscais nomeados por José Serra (PSDB) quando o tucano assumiu a prefeitura em 2005. Licenciado na Câmara, Tatto é novamente secretário municipal de Transportes, na gestão Fernando Haddad (PT).

Veja a lista com todos os parlamentares com pendências

Apoie o jornalismo independente e de qualidade:

Faça uma assinatura convencional ou digital da Revista Congresso em Foco!

 

Mais sobre processos

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!