J&F movimentou R$ 248 bilhões em transações suspeitas, diz revista

 

Relatório sigiloso do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), do Ministério da Fazenda, reforça o cerco à J&F, que controla a JBS. O documento, de 139 páginas, informa que as empresas do grupo movimentaram R$ 248 bilhões apenas em transações consideradas suspeitas nos últimos 14 anos. As informações são da nova edição da revista Veja, que chega às bancas nesta sexta-feira (29).

Segundo a publicação, o relatório mostra conflito de interesses públicos e privados e põe em xeque mais uma vez as confissões feitas pelos empresários Joesley e Wesley Batista, hoje presos, e outros executivos da J&F.

“O material, considerado um dos mais complexos já produzidos até hoje pelo Coaf, comprova parte do que os próprios executivos da JBS já haviam confessado em delação premiada, revela casos novos e mostra caminhos ainda desconhecidos percorridos pelo dinheiro destinado a parlamentares, ministros, ex-ministros, partidos políticos ou operadores de propinas”, diz trecho da reportagem de Hugo Marques e Thiago Bronzatto.

De acordo com Veja, parte dos R$ 248 bilhões rastreados pelo Coaf foi encaminhado ilegalmente a políticos como propina. Joesley e Wesley foram indiciados, no último dia 21, por uso indevido de informações privilegiadas e manipulação do mercado de ações para obter lucros indevidos. Os irmãos estão presos em São Paulo há duas semanas.

<< Gilmar Mendes mantém presos os irmãos Joesley e Wesley Batista

<< Joesley e Wesley Batista são indiciados por uso indevido de informação privilegiada

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!