Jarbas diz que PMDB continuará “guloso” por verbas





 Fábio Góis


O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) mantém a postura independente de criticar o governo, os colegas parlamentares e o próprio PMDB, o maior partido do país e parceiro dos petistas na chapa que elegeu Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB).


Em entrevista à TV Congresso em Foco (clique ao lado para assistir), ele afirmou que o partido tem sede de poder pelas vias do fisiologismo de “outras coisas mais graves”. Jarbas entende que isso não deve mudar no governo Dilma, no qual o PMDB terá cinco ministérios: Minas e Energia, Previdência, Secretaria de Assuntos Estratégicos, Turismo e Defesa.


Para ele, o partido estará sempre em busca de cargos e verbas públicas. “Eu tenho impressão que ele não vai perder seu aspecto guloso e de querer sempre açambarcar aquilo que tem muitos recursos, aquilo que tem alguma coisa para dar”, disparou o senador, em entrevista durante a cerimônia do Prêmio Congresso em Foco.


Ele também não poupou críticas à qualidade do novo Congresso, que começa suas atividades em 2011. Jarbas acha que a “mediocridade” política vai continuar no Brasil.


“Ninguém pode assegurar que essa legislatura vá ser melhor que a outra, porque os nomes que estão chegando não entusiasmam para que a gente possa fazer essa comparação”, desdenhou Jarbas.


Descrente com a aplicação imediata da lei da ficha limpa, Jarbas se diz satisfeito com o desfecho da história. Para o senador, isso “representa que, na próxima eleição, a aplicação dela ser total e geral”.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!