Símbolo da Lava Jato, “Japonês da Federal” é preso

Newton Ishii, o agente da PF que ficou conhecido por conduzir presos da Lava Jato, começa a cumprir pena de quatro anos e dois meses de prisão em regime semiaberto por facilitação de contrabando

Leonel Rocha/Congresso em Foco
O agente da Polícia Federal Newton Ishii, conhecido como o Japonês da Federal, foi preso nessa terça-feira (7) em Curitiba, acusado de envolvimento na entrada de contrabando no país, segundo investigação da Operação Sucuri. Ele começará a cumprir a pena de quatro anos e dois meses de prisão, em regime semiaberto. Por ser réu primário, a pena dele poderá ser reduzida em oito meses. O agente  está detido na Superintendência da Polícia Federal na capital paranaense, onde estão recolhidos os demais presos da Operação Lava Jato, da qual ele se tornou um dos símbolos.

A Justiça entendeu que o agente federal, em conjunto com outros investigados, facilitava a entrada de contrabando no Brasil, pela fronteira com o Paraguai, em Foz do Iguaçu. Newton Ishii ficou conhecido durante as ações da Operação Lava Jato por ser o responsável por encaminhar os presos e conduzidos coercitivamente para a Superintendência de Curitiba.

Ele sempre aparecia ao lado de presos importantes da Lava Jato. Em fevereiro deste ano, quando estava de férias, foi a Brasília visitar o Congresso Nacional. Na ocasião, Ishii foi tietado por parlamentares e servidores do Legislativo. O policial chegou a ser cotado para se candidatar a um cargo público. Porém, à época, afirmou ao Congresso em Foco que nem pensava em participar da política partidária.

No Carnaval deste ano, o "Japonês da Federal" foi homenageado com um boneco gigante na tradicional folia de rua em Olinda (PE). Também foram confeccionadas máscaras inspiradas em seu rosto e compostas até marchinhas de bloco de rua.

Funcionário da Polícia Federal desde 1976, Newton Ishii foi chefe do Núcleo de Operações da PF em Curitiba e chegou a ser expulso da corporação em 2003, quando foi preso na Operação Sacuri. Ele se aposentou no mesmo ano. Em 2014, teve a aposentadora revogada e foi reintegrado à corporação. Agora, com o início do cumprimento da pena, voltou a ser afastado da PF.

O folclore em torno de Ishii aumentou quando, em gravação feita por Bernardo, filho de Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras, ele foi citado e chamado de o "japonês bonzinho" suspeito de vazar dados da Lava Jato. Na gravação, o então senador Delcídio do Amaral (MS) oferecia rota de fuga e dinheiro à família de Cerveró para que o ex-diretor não fizesse acordo de delação premiada. O episódio resultou na prisão de Delcídio por quase três meses e na cassação de seu mandato pelo Senado.

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!