Janot pede ao Supremo ação penal contra Cunha

Janot afirmou, em sessão do STF, que "tudo ia bem na propinolândia" até o contrato de dois navios-sonda do estaleiro Samsung Heavy Industries, feito sem licitação, ser suspenso

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu abertura de ação penal contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ao Supremo Tribunal Federal (STF), durante sessão em curso na tarde desta quarta-feira (02). A Corte está reunida para julgar a denúncia apresentada pelo próprio procurador contra o parlamentar e a prefeita de Rio Bonito (RJ) e ex-deputada federal, Solange Almeida. Ambos são investigados pela Operação Lava Jato, que desvendou o esquema de corrupção na Petrobras.

Janot afirmou, em sessão do STF, que "tudo ia bem na propinolândia" até o contrato de dois navios-sonda do estaleiro Samsung Heavy Industries, feito sem licitação e com pedido expresso de Cunha, ser suspenso. A partir daí, o parlamentar teria insistido para que o lobista Fernando Soares - mais conhecido como Fernando Baiano - pressionasse Júlio Camargo, ex-consultor da empresa Toyo Setal - empresa responsável pelos navios -, para que o pagamento da propina fosse retomado.

O esquema foi descoberto por meio de delações premiadas feitas, principalmente, por Júlio Camargo. O procurador considerou que Cunha utilizou o cargo para receber cerca de US$ 5 milhões em dinheiro de corrupção. Para fechar o negócio, o presidente da Câmara também teria contado com a ajuda do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, já condenado na Operação. As negociações aconteceram entre 2006 e 2007, segundo as investigações. O procurador avaliou ainda que os contratos irregulares das sondas custaram aproximadamente R$ 1 bilhão.

O julgamento teve início por volta das 14h30, e deve se estender pela noite desta quarta-feira. Caso os magistrados decidam pela procedência das acusações de corrupção e lavagem de dinheiro, encampadas pela PGR, deixar-se-á para trás o estágio de inquérito há cerca de um ano em curso na corte contra o peemedebista, que passará à condição de réu no Supremo. Se isso se confirmar, avaliam atores da cena política em Brasília, ele perderá as condições de continuar à frente da Casa legislativa.

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!