Jader e Braga alegam problemas de saúde e faltam votação do impeachment

Eduardo Braga está tratando um tumor na bexiga e Jader Barbalho está internado no hospital Sírio-Libanês, onde passa por tratamento de radioterapia. Rose de Freitas sofreu um AVC e veio de São Paulo para votar no impeachment

Dois senadores do PMDB deixarão de votar a admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff por motivos de saúde. O ex-ministro de Minas e Energia de Dilma, Eduardo Braga (AM), está tratando um tumor na bexiga e Jader Barbalho (PA) também está internado no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, há um mês e meio para tratamento de radioterapia. A senadora Rose de Freitas (ES) também estava no Sírio-Libanês, se recuperando de um Acidente Vascular Cerebral, mas deixou a capital paulista hoje para participar da votação.

Braga e Jader comunicaram sua impossibilidade de comparecer à sessão por meio de seus perfis no Facebook. Eduardo Braga disse que está de licença médica desde que deixou o ministério, no último dia 20.  "Há tempos fui diagnosticado com um tumor na bexiga, denominado carcinoma tipo II. Por conta disso, já fazia um bom tempo que eu precisava realizar vários exames e dar início a um rigoroso tratamento, mas sempre adiava tais procedimentos devido ao excesso de atividades enquanto ministro", escreveu o senador amazonense, que disse ter chegado "ao limite", e precisou optar por cuidar da saúde. "Assim que possível, retomarei minhas atividades políticas no Senado", concluiu Braga.

Jader Barbalho comunicou em sua página no Facebook que não poderia comparecer à sessão de votação em função do "tratamento de radioterapia de um Adenoma de Hipófise (que já estava comprimindo meu nervo ótico). E que, por recomendação médica, "não pode ser interrompido por um dia sequer", escreveu o senador.

"Confio em Deus e espero ter rápida recuperação para voltar as minhas atividades de homem público", acrescentou Jader.

Na última sexta-feira (6) a senadora Rose de Freitas deu entrada no Instituto de Cardiologia do Distrito Federal, onde foi diagnosticada com AVC. A senadora está com dificuldades na fala e não se pronunciará na sessão de votação.

O líder do PMDB na Casa, Eunício Oliveira (CE), tentou convencer Rose a permanecer em São Paulo para dar continuidade ao tratamento médico, mas a senadora fez questão de vir. Em sua página no Facebook, Rose confirmou sua presença na votação do impeachment, mas em seguida retornará para São Paulo.

Mais sobre impeachment

Mais sobre PMDB

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!