Irmã de Aécio e cúpula tucana criticam vazamento de delação e falam em mentira e ódio

"Não sei o que está acontecendo para tanto ódio e tanta irresponsabilidade, atacar de forma tão covarde a vida das pessoas", afirma Andrea Neves em vídeo em que chora. Em nota, tucanos dizem que há tentativa de jogar nome de senador no "mar de lama de corrupção"

Em vídeo publicado na internet, a jornalista Andrea Neves, irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG), negou ter recebido dinheiro da Odebrecht em conta bancária operada por ela em Nova York e disse não entender “tanto ódio e tanta irresponsabilidade” na denúncia publicada pela revista Veja no último fim de semana. De acordo com reportagem da revista, o ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedicto Junior disse, em delação premiada, que a empreiteira repassou R$ 70 milhões ao senador em “contrapartida” por obras executadas pelo grupo no governo de Minas Gerais.

"Pra mim, como disse meu irmão ontem à noite, pouco interessa agora quem mentiu, quem é o mentiroso, se o delator ou a fonte da revista. O que interessa é a mentira. Eu não sei o que está acontecendo para tanto ódio e tanta irresponsabilidade, atacar de forma tão covarde a vida das pessoas."

Ao longo do vídeo, Andrea Neves chora e diz que a acusação contra ela e o irmão é mentirosa: "Gostaria de poder olhar no olho... (choro) Desculpa... de cada pessoa que eu conheço, de cada amigo, de cada pessoa que acompanha nosso trabalho, pra dizer que é mentira. E nós vamos provar".

Veja o vídeo:

Responsável pela área de comunicação do governo de Minas durante os dois mandatos de Aécio, Andrea é uma das principais conselheiras do irmão. O senador disse ser alvo de “mentiras” e “incompreensões” e que vai pedir ao ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, que apure o vazamento do conteúdo da delação.

Ontem a cúpula nacional do PSDB divulgou nota de desagravo a Aécio. “Nós, governadores, senadores, deputados federais e demais lideranças do PSDB, manifestamos com firmeza e indignação nosso repúdio ao ataque covarde e mentiroso sofrido pelo nosso presidente nacional, senador Aécio Neves, com base em informações falsas e absurdas”, diz o texto.

“O senador Aécio Neves tem 30 anos de dedicação à vida pública. É inadmissível a tentativa de misturá-lo com o mar de lama de corrupção sem precedentes apurado pela Lava jato e por ele próprio denunciado em 2014”, completa a nota, assinada pelos seis governadores e pelos quatro ministros do partido. O texto também é endossado pelos líderes da legenda no Senado e na Câmara e pelo presidente do Instituto Teotônio Vilela, José Aníbal.

Leia a íntegra da nota do PSDB:

"Reportagem de capa divulgada pela revista Veja dessa semana com falsas acusações ao presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, gerou perplexidade em todo o país, especialmente após o advogado do delator informar que o conteúdo divulgado não faz parte da delação de seu cliente.

O PSDB nasceu na luta pela liberdade, pela democracia, pela transparência, pela ética e pela Justiça.

É por isso que defendemos a Lava Jato e o combate sem tréguas à corrupção que mina as instituições. E nessa travessia difícil e complexa um compromisso é absolutamente essencial: a busca da verdade.

Porém é inaceitável a prática de vazamentos seletivos e mentirosos que encontram eco em práticas editoriais e jornalísticas pouco responsáveis. Esses vazamentos, movidos por propósitos obscuros, buscam lançar uma névoa sobre a vida pública brasileira manchando injustamente a imagem de pessoas de bem. Retiram de seus alvos o direito à ampla defesa, ferindo frontalmente a própria constituição.

A retirada do sigilo sobre os inquéritos e delações no âmbito da Lava Jato torna-se fundamental para que a verdade possa emergir a partir do contraditório no legítimo e transparente processo judicial. E, assim, inocentes sejam preservados e corruptos, punidos. Não há democracia e República sólidas com cidadãos fragilizados em seus direitos constitucionais básicos.

Por tudo isso, nós, governadores, senadores, deputados federais e demais lideranças do PSDB, manifestamos com firmeza e indignação nosso repúdio ao ataque covarde e mentiroso sofrido pelo nosso presidente nacional, senador Aécio Neves, com base em informações falsas e absurdas.

O senador Aécio Neves tem 30 anos de dedicação à vida pública. É inadmissível a tentativa de misturá-lo com o mar de lama de corrupção sem precedentes apurado pela Lava jato e por ele próprio denunciado em 2014.

Estamos seguros que, ao final, ficará demostrada a falsidade dos fatos relatados e seus autores responsabilizados."

Ex-executivo da Odebrecht diz ter pago valores à irmã de Aécio por meio de conta em Nova York

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!