Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

Investigação é contra Temer, mas é Maia quem busca absolvição do Planalto

 

Basília Rodrigues
Especial para Congresso em Foco

Em que pesem as atitudes do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), nada a temer. Ele já elevou o tom contra o governo, cobrou respeito para o Democratas e até ensaiou atrasar o andamento da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que tem pressa pra absolver Michel Temer da denúncia por organização criminosa e obstrução de Justiça.

<< Disputa entre PMDB e DEM leva Maia a advertir Temer: “Que não vire relação entre inimigos”

“Ele está tentando se descolar [de Temer]”, disse um líder  de oposição sobre a conduta de Maia. “Ficou com a imagem negativa na primeira votação. Agora tem que fingir que não está jogando”, completou.

Na hora da leitura do relatório que livra Temer e ministros de todas as acusações, Maia disputou atenções, convocou os deputados para o plenário pra votação de uma medida provisória que muito interessa aos bancos. A queda de braço custou alguns minutos de atraso à CCJ. O susto foi superado rapidamente porque se tratava mesmo só de um recado.

“Rodrigo Maia não está errado de todo”, disse o vice-líder de governo na Câmara, Beto Mansur (PRB-SP). “Ele tem a pauta dele e precisa votar. Não pode ser acusado de que tá privilegiando o presidente na CCJ”, acrescentou o governista.

A investigação é contra Temer, mas é Maia que busca uma absolvição. Não quer ser acusado de manobrar nem contra nem a favor do presidente. Ele mesmo avisou que mudaria sua posição nesta segunda denúncia.

“Houve um pouco de estresse de tempo entre a votação no plenário e o atraso da leitura. Mas nada melhor do que o fim de semana com o feriado pra poder relaxar um pouco”, disse Mansur, sinalizando que conversas podem ajustar os ponteiros no período de folga.

“Não tem pelo em ovo. O Maia pode agir assim, mas não dá em nada, não”, afirmou o peemedebista Darcísio Perondi (PMDB-RS) puxando, cheio de expressões, a frase “queeeee nada” ao ser perguntado se a reação do aliado vai influenciar no resultado da votação.

Contando por baixo, o governo já tem o suficiente para vencer e barrar a consecução das investigações, 37 votos. Espera fazer trocas na bancada do PSD, virar votos no PSDB, não se abalar muito com o PSB e, assim, somar entre 38 e 42 votos. A votação do relatório a favor de Temer na CCJ está prevista para a próxima semana.

 

<< Maia e Temer disputam dissidentes do PSB; Temer tenta reaproximação

Continuar lendo