Instituto tucano chama Dilma de ‘mãe do petrolão’

“Como presidente do conselho de administração da Petrobras por quase oito anos, Dilma foi uma espécie de mãe do petrolão. Cabe a ela e ao PT responder pelos 12 anos de assalto do partido à empresa”

“Mãe do petrolão”. É assim que o Instituto Teotônio Vilela, entidade de formação política ligada ao PSDB, faz referência à presidenta Dilma Rousseff em artigo veiculado em suas páginas na internet e, ato contínuo, no site e nas redes sociais do partido. O texto – intitulado “A mãe do Petrolão (Carta 1085)”, em analogia a mensalão e petróleo – é uma resposta às declarações de Dilma na última semana, quando ela rompeu certo silêncio, desde o início do segundo mandato, sobre o esquema bilionário de corrupção desvendado na Petrobras pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal. A petista disse que, se os desvios na estatal tivessem sido investigados e punidos durante o governo do tucano Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), a situação não estaria como está hoje.

“Como presidente do conselho de administração da Petrobras por quase oito anos, Dilma foi uma espécie de mãe do petrolão. Cabe a ela e ao PT responder pelos 12 anos de assalto do partido à empresa, durante os quais, segundo revelações da Operação Lava-Jato, meio bilhão de reais foram desviados para os cofres petistas”, diz o texto do instituto, para quem Dilma perdeu as condições de seguir à frente do país.

“Dilma cumpre papel num script que lhe foi ditado pelo marketing e pelo seu tutor. Definitivamente não sabe o que fazer diante da roubalheira sistêmica que se espalhou no aparato estatal como cancro, sob seu nariz e com o seu beneplácito, institucionalizada pelo PT. Revela-se espectadora e não protagonista de seu governo”, acrescenta o artigo.

Às vésperas da instalação da nova CPI da Petrobras na Câmara, PT e PSDB intensificam fogo cruzado sobre o assunto, com acusações mútuas, na iminência das denúncias e pedidos de inquéritos a ser formalizados pela Procuradoria-Geral da República contra políticos diversos. Enquanto tucanos preparam ofensiva no colegiado, que terá comando governista, e combinam declarações públicas com conteúdo na internet, o PT protocolou pedido de sindicância para apurar vazamentos que diz considerar “seletivos” para incriminar o partido.

O partido também quer ampliar o foco da CPI da Petrobras e responsabilizar criminalmente o ex-diretor de Serviços da Petrobras Pedro Barusco, que acusou em juízo a sigla de ter recebido US$ 200 milhões em propinas. A reação da legenda, que está no epicentro das denúncias, já havia sido ensaiada pelo presidente nacional do PT, Rui Falcão, no último dia 11, quando classificou Barusco como “bandido” e disse que o delator não apresenta provas do que diz.

Líder do PT na Câmara, Sibá Machado (PT-AC) contra-atacou o artigo e seus autores tucanos. Disse que lhes falta “autocrítica”, e qualificou o uso do Instituto Teotônio Vilela para atacar Dilma como algo infantil.

“É uma coisa de criança. Chega a ser impressionante a forma com que o PSDB está tratando questões sérias como essa, usando dessa maneira o instituto que leva o nome de uma pessoa respeitável e que contribuiu tanto pelo Brasil. Eles destruíram o Brasil com privatização e deixaram uma mancha na política do país com a compra da reeleição. Enquanto o PSDB não fizer uma revisão, uma autocrítica, fica difícil debater política de forma séria”, rebateu o deputado, segundo a versão online o jornal O Globo.

Confira a íntegra do artigo do Instituto Teotônio Vilela

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!