Inquérito do cartel dos trens chega ao STF

Investigação quer saber se José Aníbal, Edson Aparecido, Rodrigo Garcia e Arnaldo Jardim receberam suborno da Siemens no caso do trensalão. Ministra Rosa Weber vai relatar o caso

O inquérito que apura o cartel dos trens em São Paulo chegou, nesta quinta-feira (12), ao Supremo Tribunal Federal (STF). A relatora do caso, classificado como investigação sobre crimes de lavagem de dinheiro, será a ministra Rosa Weber. A papelada de 3.489 páginas foi remetida ao Supremo para apurar se há envolvimento dos deputados federais José Aníbal e Edson Aparecido (ambos do PSDB), Arnaldo Jardim (PPS) e Rodrigo Garcia (DEM). Desses, apenas Jardim exerce o mandato atualmente. Os demais estão licenciados e integram o governo Geraldo Alckmin (PSDB).

Em depoimento sigiloso, o ex-diretor da Siemens Everton Rheinheimer cita políticos que teriam recebido propina da empresa em troca de contratos. Entre eles, Edson Aparecido – chefe da Casa Civil de Geraldo Alckmin –, Rodrigo Garcia, secretário de Desenvolvimento Econômico de Alckmin, Arnaldo Jardim e o deputado estadual Campos Machado (PTB).

Segundo reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, lobista da multinacional Alstom  Jorge Fagali Neto orientou o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), então coordenador de campanha de Serra, em 2006, a levantar dinheiro no exterior para obra do metrô. O senador diz que foi “alerta de amigo”.

Mais sobre cartel dos trens

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura


Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!