Impeachment: Temer tenta fim de recesso parlamentar

Vice-presidente quer garantir que Comissão Especial não pare os trabalhos e acelere o julgamento sobre o afastamento de Dilma em até 15 dias. Aliados conversam com parlamentares

A Comissão Especial do Impeachment sequer apresentou o parecer do relator sobre a denúncia contra a presidente Dilma Rousseff e interlocutores do vice-presidente da República Michel Temer já começaram a sondar parlamentares sobre uma possível suspensão do recesso parlamentar, previsto para o mês de julho. Em matéria divulgada neste sábado (30), o Estadão afirma que a tentativa dos aliados do peemedebista pode suprimir até 15 dias no prazo para o julgamento da presidente.

De acordo com membros do PMDB, a realização do recesso parlamentar ajuda Dilma a ganhar prazo, já que a comissão teria que suspender os trabalhos, diz a publicação. O intuito de Temer é apresentar ao plenário da Casa o pacote de medidas econômicas e tentar votar o maior número de propostas antes mesmo do início da campanha eleitoral nos municípios, que começa em 16 de agosto. Em caso de afastamento da presidente, que pode ser aprovado em 11 de maio, o vice assume o comando interino do País por até 180 dias, período em que ela será julgada pelos senadores.

Um dos projetos que os aliados de Temer querem aprovar no Congresso para reanimar a economia é a convalidação dos incentivos fiscais concedidos pelos estados às empresas com o Imposto de Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS). Esses incentivos foram dados no passado para favorecer a instalação de indústrias, mas foram considerados inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Mais sobre Michel Temer

Mais sobre impeachment

Leia a íntegra da matéria publicada pelo Estadão.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!