Janaína nega que Cunha tenha orientado processo de impeachment

Uma das autoras do pedido de impeachment, advogada de acusação rebate tese defendida por Dilma de que processo de afastamento é resultado de vingança pessoal do presidente da Câmara

A advogada Janaína Paschoal, coautora da denúncia contra a presidente Dilma Rousseff, sustentou que o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) não orientou o processo de impeachment. A defesa de Dilma alega que o processo de impeachment decorre de vingança pessoal de Cunha contra o partido da presidente, que se recusou a apoiá-lo no Conselho de Ética. Para Janaína, o argumento da defesa não se sustenta, uma vez que Cunha não aceitou todas as denúncias que foram apresentadas na peça assinada por ela e pelos juristas Miguel Reale Junior e Hélio Bicudo.

A presidente é acusada da prática de pedaladas fiscais em 2015 e de editar decretos de crédito suplementar sem autorização do Poder Legislativo, em desacordo com a meta fiscal então vigente naquele ano. A denúncia original ainda trazia aspectos relacionados a financiamentos concedidos pelo BNDES e investigações da Operação Lava Jato - que não foram considerados por Cunha na hora em que autorizou o andamento do processo, em dezembro do ano passado.

Cunha limitou a denúncia às manobras fiscais, sem englobar todos os aspectos indicados na denúncia original. O argumento excluiria a tese de que um "conluio" estaria em jogo no andamento do impeachment. "Este processo é do povo", disse Janaína. "Todo mundo está contra? É o eterno discurso da perseguição?", acrescentou.

Em sua defesa no Senado, Dilma reiterou ontem que não cometeu crime, chamou o atual processo de impeachment de "golpe" e atribuiu sua deflagração a uma vingança pessoal de Cunha, que responde a processo de cassação no Conselho de Ética por ter omitido o controle de contas no exterior em depoimento à CPI da Petrobras. "Todos sabem que este processo de impeachment foi aberto por uma 'chantagem explícita' do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, como chegou a reconhecer em declarações à imprensa um dos próprios denunciantes. Exigia aquele parlamentar que eu intercedesse para que deputados do meu partido não votassem pela abertura do seu processo de cassação."

Mais sobre impeachment

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!