Impeachment: Dilma irá ao Senado apresentar defesa

A presença da presidente afastada em seu julgamento final no Senado ainda era incerta e foi confirmada hoje. A data para a apresentação da defesa ainda não foi definida

A presidente afastada Dilma Rousseff está decidida a ir pessoalmente ao Senado para fazer sua defesa no julgamento final do impeachment. A informação foi divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo e confirmada pela assessoria da petista na manhã desta quarta-feira (17).

"Será a manifestação de uma presidente que irá ao Senado e que está sendo julgada por um processo de impeachment sem crime de responsabilidade", disse Dilma.

A presidente afirmou que não tem receio de ser alvo de atitudes hostis por parte de senadores favoráveis à sua saída definitiva do cargo. "Nunca tive medo disso. Aguentei tensões bem maiores na minha vida. É um exercício de democracia", argumentou a petista. Ela se mostrou incomodada com as especulações veiculadas pela imprensa de que deixaria de comparecer por temer represálias.

Até então a presidente evitou acompanhar presencialmente as decisões de seu processo, e vinha sendo representada por seu advogado, o ex-AGU José Eduardo Cardozo.

A data para a defesa de Dilma ainda não foi definida. No momento, o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski, responsável por conduzir as últimas etapas do processo do impeachment, está reunido com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e líderes da Casa para definir o rito do julgamento final. Lewandowski já anunciou que a sessão terá início no dia 25, e, na manhã desta quarta, Renan disse esperar que o julgamento seja concluído em quatro dias - os cálculos do senador não incluem o fim de semana. Portanto, o término da sessão se daria na terça-feira (30).

Leia a notícia no jornal Folha de S.Paulo

Mais sobre impeachment

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!