Impeachment: ausência de confronto e ritmo mais acelerado marcam terceiro dia de julgamento

Depois da troca de ofensas, nesta sexta-feira, que levou à interrupção dos trabalhos, senadores ouvem sem contratempos a explanação do ex-ministro Nelson Barbosa, que tenta eximir Dilma da acusação de crime de responsabilidades fiscais. Grupo pró-impeachment faz poucas perguntas e Renan não comparece, mas sela a paz com petistas

No terceiro dia de julgamento do impeachment de Dilma Rousseff, os senadores acalmaram os ânimos, depois da intensa troca de ofensas em plenário nesta sexta-feira (26), e adotaram um tom mais tranquilo nas discussões. As perguntas direcionadas ao ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa, penúltima testemunha de defesa a ser ouvida no Senado, têm viés técnico e, confirmando explanações já feitas na comissão do impeachment, eximiu a presidente afastada da responsabilidade pelas pedaladas fiscais.

A maioria dos senadores que já definiu posição pró-impeachment preferiu não fazer perguntas a Nelson Barbosa, o que acelerou a sessão. Aqueles que optaram por questionar o ex-ministro, como senador Aécio Neves (PSDB-MG), falaram sobre a crise econômica que atinge o país. Barbosa, por sua vez, respondeu que a crise foi causada por uma série de fatores externos e internos, como “o preço de commodities, queda do preço do petróleo, correção de preços administrados, cortes de gastos, paralisação política do Congresso com as pautas-bomba, a Lava Jato”.

As primeiras horas da sessão deste sábado foram marcadas pelo baixo quórum de senadores. No início do debate, apenas 25 dos 81 parlamentares estavam presentes em plenário. O próprio presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), não estava entre os “juízes” desta reta final do impeachment.

Renan aproveitou a noite de ontem (sexta, 26) para selar a paz com os senadores petistas, com quem trocou ofensas no segundo dia de julgamento. Confessando-se arrependido de ter atacado Gleisi Hoffmann (PT-PR) em um discurso, o peemedebista se reuniu com Jorge Viana (PT-AC), vice-presidente do Senado, e Lindbergh Farias (PT-RJ), líder da Minoria.

Testemunhas

Além de Barbosa também será ouvido hoje, na condição de informante, o professor de direito da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), Ricardo Lodi Ribeiro. O pedido para alterar a condição do depoimento de Lodi Ribeirro foi feito pelo advogado de Dilma, José Eduardo Cardozo, pelo fato de o professor ter atuado como assistente de perícia no processo.

Depois que Lodi Ribeiro responder às perguntas dos senadores, o ministro Ricardo Lewandowski, que preside o julgamento do impeachment no Senado, encerra a fase de oitiva de testemunhas. A expectativa dos parlamentares é encerrar os trabalhos ainda neste sábado, até o fim da tarde.

O julgamento será retomado às 9h de segunda-feira (29) com a presidenta afastada Dilma Rousseff. Além de apresentar pessoalmente sua defesa aos 81 senadores, a petista também responderá perguntas de parlamentares com a presença do ex-presidente Lula, no que é considerado o momento crucial do processo iniciado há mais de oito meses. Uma comitiva da petista também estará em plenário, o que levou o comando do Senado a considerar a modificação do posicionamento dos profissionais de imprensa e demais credenciados.

Mais sobre o impeachment

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!