Impasse inédito marca eleição para presidente da Câmara

Waldir Maranhão e colégio de líderes tomam decisões conflitantes e deixam a Casa sem comando. Até agora, mais de 20 pretendentes se apresentaram para suceder Eduardo Cunha, vários deles dentro do mesmo partido

Mais de 20 pretendentes, vários deles dentro do mesmo partido - como José Carlos Aleluia (BA) e Rodrigo Maia (RJ), ambos do DEM; ou Heráclito Fortes (PI) e Júlio Delgado (MG), do PSB. Articulações que colocam às vezes do mesmo lado tradicionais adversários. E um impasse que envolve até mesmo a data da realização da eleição. É nesse clima que a Câmara dos Deputados discute a sucessão de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que renunciou ontem ao cargo.

 

Duas decisões conflitantes de instâncias diferentes da Câmara deixaram a Casa sem direção nesta sexta-feira (8). O presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), anulou a decisão do colégio de líderes que antecipou a eleição do sucessor de Eduardo Cunha, que renunciou ao posto nesta quinta-feira (7). O colegiado de representantes das bancadas tinha sido convocado pelo coordenador do maior bloco partidário, Jovair Arantes (PTB-GO), mas sem a presença ou o conhecimento de Maranhão. Em retaliação, o presidente interino demitiu da função o secretário-geral da mesa, Sylvio Avelino, homem de confiança de Cunha e assessor da reunião informal de líderes.

A temperatura da crise aumentou no final da manhã quando primeiro-secretário da mesa Diretora, Beto Mansur (PRB-SP), defendeu a troca na data alegando que o colégio de líderes é soberano e pode atropelar decisões do presidente da Casa. A convocação da eleição extraordinária é prerrogativa do presidente da Câmara que fica obrigado a marcar o dia em até cinco sessões do plenário a partir da oficialização da renúncia. A antecipação da votação foi decidida sem que Maranhão ficasse sabendo e mostra o clima de desmando na Casa.

A crise é tão profunda que mais de 20 deputados se lançaram candidatos ao mandato tampão de seis meses na presidência da Câmara. Todas as bancadas indicaram nomes, algumas com mais de um. O PT, legenda da presidente afastada Dilma Rousseff e centro da crise política que envolve o impeachment, não vai lançar candidato. Os petistas querem identificar o mais eficiente anti Cunha para apoiar. O PCdoB formalizou uma preferência há pouco impensável, e apoia um nome do Democratas. Os comunistas simpatizam com Rodrigo Maia (DEM-RJ) e até admitem apoiar nomes do PPS e PSDB.

A disputa que antes os deputados diziam não ter interesse, se transformou no mais novo púlpito político. A nova vitrine televisionada que para uns pode ser a glória e mais votos em 2018 ou uma boa ajuda nas eleições municipais para emplacar vereadores e prefeitos, cabos eleitorais dos parlamentares federais. O Palácio do Planalto está envolvido na sucessão, apesar dos desmentidos dos parlamentares de base de apoio ao governo do presidente interino Michel Temer. O PMDB não lançou nomes. Foi informado de que seria cargo demais para a legenda na atual situação de crise.

A gestão Cunha será fácil de bater. O discurso da moralidade é sempre mais conveniente. Mas em outra votação muito importante e com claque eletrônica, como a da admissibilidade do impeachment da presidente Dilma, esta vitrine toda virou tragédia eleitoral.

Mais sobre Eduardo Cunha

Mais sobre legislativo em crise

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!