Grace Maria rebate ex-AGU e nega que Planalto tenha dificultado acesso a informações da Lava Jato

Fábio Osório afirmou que sua saída decorreu de atuação para punir governistas investigados na operação. Ele enfatizou que a exoneração foi uma decisão política, tomada depois de ele pedir ao STF acesso às investigações sobre integrantes da base aliada do presidente Michel Temer

A nova chefe advogada-geral da União, Grace Maria Fernandes Mendonça, rebateu as afirmações do ex-advogado-geral da União Fábio Medina Osório, exonerado nesta sexta-feira (9). Ele disse à Veja que sua saída decorreu de sua atuação para punir governistas investigados na Operação Lava Jato. Fábio Osório enfatizou ainda que sua exoneração foi uma decisão política, tomada depois de ele pedir acesso às investigações sobre integrantes da base aliada do presidente Michel Temer.

Entretanto, Grace, nome confirmado também na tarde de ontem (sexta, 9) para assumir o cargo, disse em entrevista veiculada pelo Estadão neste sábado (10), que o governo pretende tomar as providências necessárias para processar políticos e servidores públicos investigados na operação. Pouco depois de ser nomeada, Grace negou ao jornal que o Palácio do Planalto tenha dificultado a busca da Advocacia-Geral da União (AGU) por informações sobre o envolvimento de parlamentares em desvios na Petrobrás ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Grace Maria explicou que o ministro do STF, Teori Zavascki,  já despachou autorizando o acesso da AGU aos dados, mas, segundo ela, o próprio Supremo informou que esse processo é físico e que essas informações demandariam "algum tipo de transferência ou por sistema ou por algum tipo de mídia".

"O que estava se acertando, até esta semana, era a melhor forma de que esses dados fossem migrados sem nenhum prejuízo em relação à questão do sigilo. As informações serão buscadas. Não vai ter nenhum tipo de restrição. Tão logo sejam analisadas pelo Departamento de Probidade Administrativa, as ações serão promovidas pela AGU", adiantou Grace.

Questionada se o órgão manteria as investigações dos casos em que políticos e servidores públicos aparecem envolvidos em desvios, a nova chefe da AGU respondeu: "Pode ter absoluta certeza. O que se tem é a parte operacional, que está sendo trabalhada. É preciso que se tenha um trato institucional seguro até para que, se houver algum tipo de equívoco no trato, que se tenha a responsabilização".

Em nota divulgada na tarde de hoje (sábado, 10), a ministra da AGU critica a postura de Osório, que chegou a mencionar que Grace teria aceitado "fazer o jogo" do ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. Foi depois de uma discussão entre o ex-AGU e Padilha que Fábio Osório foi exonerado.

"As declarações veiculadas nos últimos dias, na verdade, atestam o total desconhecimento das rotinas e procedimentos internos da Instituição na responsável condução dos trabalhos da defesa do patrimônio público e da probidade administrativa. A AGU reitera que a defesa do erário e o combate à corrupção, além da segurança jurídica aos seus órgãos assessorados, é e continuará sendo sua principal missão institucional", diz o texto. A ministra acrescentou também que a Advocacia-Geral da União tem cumprido "seu irrestrito compromisso com a missão constitucional que lhe foi atribuída na qualidade de função essencial à Justiça, destacando que as atividades institucionais continuarão pautadas pelos mais elevados princípios constitucionais que norteiam a Administração Pública".

Leia a íntegra da entrevista de Grace Maria ao Estadão

Mais sobre corrupção

Mais sobre crise brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!