Graça Foster: não sobrará “pedra sobre pedra” em investigação da Petrobras

Presidente da Petrobras diz ao jornal O Globo que comissão interna vai apurar fatos, relativos à compra da refinaria de Pasadena, dos quais só tomou conhecimento agora. “O que precisar ser investigado será investigado”, diz ela

Chamada pelo Congresso a prestar esclarecimentos sobre a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, a presidente da Petrobras, Graça Foster, antecipou-se e deu as primeiras declarações públicas sobre o assunto desde que a presidenta Dilma admitiu que se baseou em documento “falho” ao apoiar o negócio que causou prejuízo bilionário à estatal. Em entrevista exclusiva ao jornal O Globo, Graça Foster disse que o negócio, que se mostrava “potencialmente atrativo”, não se repetiria hoje, mas negou ter elementos para afirmar que houve irregularidades na compra da unidade.

Graça Foster anunciou a criação de uma comissão interna para apurar responsabilidades na transação e admitiu ter sido surpreendida com uma série de fatos relacionados à refinaria apenas agora, dois anos após ter assumido a presidência da estatal. Segundo ela, no que depender da empresa, as investigações não deixarão “pedra sobre pedra”.

“Eu sou a presidente da companhia em cima de um caso que é delicado. Não aceito descobrir que estou falando um número e o número correto é outro (valor pago nos 50% iniciais), e nem aceito tratar um assunto em que me venha um comitê, um board de representantes das partes (Petrobras e Astra) que eu não saiba. E eu não aceito isso de jeito nenhum. E não fica pedra sobre pedra, não fica. Mas não fica, não fica. Pode ficar incomodado”, declarou Graça Foster aos repórteres Ramona Ordoñez e Bruno Rosa. “O que precisa ser investigado é investigado nesta empresa. Esse é o ponto fundamental. Aqui, tem normas, procedimentos e ela investiga”, acrescentou.

Clique aqui para ver a íntegra da entrevista no Globo

Na entrevista ao Globo, ela fez coro à presidenta Dilma Rousseff ao criticar o resumo executivo elaborado pelo ex-diretor da área internacional Nestor Cerveró, em 2006, que subsidiou a compra da refinaria. Assim como a presidenta, ela considerou inadmissível a ausência de referência a duas cláusulas contratuais que acabaram trazendo prejuízos à empresa brasileira.

“Cabe ao diretor da área tomar posição e colocar ali quais são os pontos relevantes para que o conselho possa se posicionar com conforto e que traga segurança para todos”, afirmou, sem citar nomes.

Surpresa

A presidente da Petrobras revelou surpresa com o fato de o ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa, preso na Operação Lava-Jato, da Polícia Federal representar a empresa em um comitê de proprietários de Pasadena. Assim como Cerveró, Costa participou da elaboração do documento considerado “falho” por Dilma e que levou o conselho administrativo, à época presidido pela atual presidenta da República, a aprovar o negócio.

“Eu descobri ontem (segunda-feira), não sabia que existia um comitê de proprietários de Pasadena no qual o Paulo Roberto era representante da Petrobras. Esse comitê era acima do board. Depois que entramos em processo arbitral, esse comitê deixou de existir”, declarou. “Não sei ainda, e este é um ponto que a comissão está procurando, quais eram os estatutos, quais eram as atribuições, qual era o poder e onde estão as datas. Eu não sei nada”, enfatizou.

Comando

Segundo Graça Foster, essa foi a “gota d´água” para ela ter criado uma comissão interna que terá 45 dias para investigar o caso. “Essa comissão não foi aberta motivada se a cláusula devia ou não estar no resumo executivo. Entendo que a demanda do conselho de administração é correta e justa e precisa ter informações. Não é preciso fazer uma comissão de 45 dias para se chegar a conclusão sobre a importância de tê-las no resumo executivo. É muito importante que se saiba que a Petrobras tem comando. A Petrobras é uma empresa de 85 mil funcionários e tem uma presidente. Sou eu. Eu respondo pela Petrobras”, afirmou.

Ela acrescentou que a mudança da economia e a aplicação de cláusulas contratuais levaram a compra da refinaria a se tornar um negócio que a empresa não repetiria hoje. “Com a mudança da economia e das aplicações das fórmulas de put option, da negociação, dos valores que se apresentaram e com a queda absurda de margem, não seria um projeto que a gente repetiria”, declarou.

Graça Foster disse ainda não ver necessidade de abrir nova frente de investigação em relação à refinaria de Abreu e Lima, objeto de parceria com o governo da Venezuela. Para ela, não há “materialidade hoje que justifique auditoria” no negócio.

Clique aqui para ver a íntegra da entrevista no Globo

CPI e Dilma

A CPI busca assinaturas no Congresso para instalar uma comissão parlamentar de inquérito para apurar a compra da refinaria de Pasadena, no estado norte-americano do Texas. Ontem, um grupo de oito parlamentares entrou com representação contra a presidenta Dilma na Procuradoria-Geral da República.

Eles querem que o procurador-geral investigue a participação de Dilma no caso e a suposta prática de improbidade administrativa e de outros possíveis crimes. Na época, ela presidia o conselho administrativo da estatal. Para os parlamentares, houve negligência de Dilma ao aprovar a compra da refinaria. Em 2006, a Petrobras pagou US$ 360 milhões à empresa belga Astra Oil para adquirir 50% da refinaria. Essa mesma parte havia sido comprada no ano anterior pela companhia belga por US$ 42 milhões.

O governo argumenta que não há necessidade de CPI, pois há investigações em curso sobre o caso na Polícia Federal, no Ministério Público Federal e no Tribunal de Contas da União (TCU). O objetivo da oposição é criar desgaste para Dilma, em um ano em que a presidenta deverá concorrer à reeleição, alegam os governistas.

Mais sobre Petrobras

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!