Governo tem estratégia para acelerar Funpresp no Senado

Reunião realizada no Ministério da Fazenda decidiu pela indicação de um relator para as três comissões que o projeto será analisado. Intenção é votar o texto até abril

O governo federal tem pressa na aprovação do Projeto de Lei 1992/07, que cria a Fundação de Previdência do Servidor Público (Funpresp), um novo sistema de aposentadoria para o funcionalismo. Reunião realizada hoje pela manhã no Ministério da Fazenda com senadores da base aliada e o ministro Guido Mantega definiu a indicação de apenas um relator para as três comissões que têm a missão de analisar o texto.

Leia outros destaques do Congresso em Foco

De acordo com o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), o nome escolhido é o do senador e ex-ministro da Previdência José Pimentel (PT-CE). O petista já foi confirmado como relator na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Jucá ficou de conversar com os presidentes das comissões de Assuntos Econômicos (CAE) e de Assuntos Sociais (CAS) para que Pimentel seja indicado também.

"Uma relatoria única para a Funpresp fará com que o projeto tenha uma tramitação mais rápida", disse Jucá. A intenção do governo é ter o projeto pronto para sanção presidencial até meados de abril. Na Câmara, a tramitação foi concluída em 29 de fevereiro. A maior inovação do projeto é estabelecer um teto para a aposentadoria no serviço público – os R$ 3.916,20 previstos para funcionários da iniciativa privada.

O texto do projeto determina que os funcionários contratados após a instituição dos fundos contribuirão com 11% sobre o teto do Regime Geral de Previdência. Quem quiser receber benefício maior, deverá contribuir para o regime complementar com um índice que ele mesmo estipular. O órgão governamental também será obrigado a pagar, em regime de paridade, mas o limite de contribuição nesse caso será de 8,5%.

A partir da sanção presidencial – presumindo que o projeto seja aprovado também pelo Senado -, cada poder terá 180 dias para criar seu fundo. Após a criação, a proposta será analisada pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc). O órgão não tem prazo para apresentar uma resposta. Por fim, depois de a Previc autorizar a instalação, são concedidos 240 dias para o fundo ser instalado.

Leia também:

Funpresp: PDT e PSB foram os menos fiéis ao governo
Entidades criticam aprovação da Funpresp
Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!