Governo retoma toque de recolher em Honduras

Lúcio Lambranho, enviado especial à América Central


Manágua (Nicarágua) - O governo de Roberto Micheletti, que assumiu o poder depois de um golpe de estado em Honduras no final de junho, determinou ontem (16) um novo toque de recolher em todo o país. O governo tinha suspendido a medida há dois dias, mas voltou atrás para tentar conter novos protestos contrários à deposição do então presidente, Manuel Zelaya.


Segundo o governo de Micheletti, o retorno da medida de estado de sítio foi renovada por que "continuam abertas ameaças de parte dos grupos que buscam provocar distúrbios e desordem no país". 


Ontem, milhares de manifestantes fecharam as principais estradas no norte e no sul de Honduras e nas maiores avenidas da capital Tegucigalpa. Desta vez, os protestos também se estenderam nos estados caribenhos de Colón, Atlântida e Cortes; Comayagua, no centro do país; Yoro, ao norte, e no oeste, em Santa Bárbara e Copán.


Greve geral

Caso a situação não seja resolvida com o retorno de Zelaya ao poder, os opositores de Micheletti reunidos na Frente Nacional de Resistência Popular prometem um greve geral a  partir da próxima semana. A estratégia foi revelada ontem por Rafael Alegría, dirigente dos trabalhadores rurais de Honduras e que faz parte da Liga Campesina, uma organização que também agrega o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). 


Escondido fora do país desde o golpe, o candidato presidencial do Partido de Unificação (UD), César Ham, disse à agência espanhola Efe que Zelaya retornará ao país em breve. O UD é um dos partidos da esquerda hondurenha e teve um dos seus líderes assassinado, como mostrou o Congresso em Foco, no último dia 12 deste mês (leia mais).

Golpe contra Alba

O presidente da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Miguel D´Escoto, afirmou que o golpe não foi contra Zelaya, mas contra as pretenções políticas da Alternativa Bolivariana para as Américas (Alba) na região.


Como mostrou o site (leia mais), o governo interino tenta barrar a entrada dos vizinhos nicaraguenses desde o golpe de estado. A Nicarágua faz parte da Alba, comandada pelo presidente da Venezuela, Hugo Chavez. Todos os países da Alba condenam o golpe, especialmente Venezuela que tem apoiado Zelaya desde os dois últimos anos do seu governo.


D´Escoto também acredita que as negociações para resolver a crise política, mediada pelo presidente da Costa Rica, Oscar Arias, tendem ao fracasso. "Temos que estar alertas por que este golpe não é só contra Zelaya. É contra a Alba”, acredita o presidente da Assembleia Geral na Organização das Nações Unidas.

Fronteiras com Nicarágua estão abertas
 
"Nicas" sofrem ameaças de prisão na fronteira
 
Apesar do golpe, Honduras parece um país tranquilo

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!