Governo não vai criar novo imposto, diz Vaccarezza

Após reunião da coordenação política, líder do governo na Câmara disse que o Executivo não tomará a iniciativa de propor um tributo para financiar recursos para a saúde

O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou nesta segunda-feira (12) que o governo não vai tomar a iniciativa de criar um novo imposto para financiar a saúde. A afirmação ocorreu após reunião da coordenação política com a presidenta Dilma Rousseff no Palácio do Planalto. Com a possibilidade de votação da Emenda 29 em duas semanas, integrantes da oposição afirmam que o Executivo vai aproveitar para criar um tributo para a distribuição das verbas.

“Não haverá iniciativa do governo este ano para criar o imposto”, disse Vaccarezza. A Emenda 29 deve ser votada em 28 de setembro. Ela fixa percentuais mínimos a serem aplicados em saúde por estados, municípios, Distrito Federal e União. O texto-base já foi aprovado pela Câmara em 2008, mas a votação ainda não foi concluída. Os deputados precisam votar um destaque apresentado pelo DEM, que pretende retirar do texto a parte que prevê a criação da Contribuição Social da Saúde (CSS), similar à extinta CPMF, mas com alíquota menor.

A Emenda 29 foi aprovada em 2000 e obriga a União a investir em saúde 5% a mais do investimento do ano anterior. Determina ainda que, nos anos seguintes, esse valor seja corrigido pela variação nominal do Produto Interno Bruto (PIB). Os estados foram obrigados a aplicar 12% da arrecadação de impostos em saúde e os municípios, 15%. A regra era transitória e deveria valer apenas até 2004, mas continua em vigor por falta de uma lei complementar que regulamente a emenda.

De acordo com Vaccarezza, o governo não terá uma orientação específica para a votação. Por isso, os parlamentares da base estarão liberados para votar a favor ou contra o destaque do DEM. "O governo vai liberar o voto para cada deputado votar com preferir", afirmou. Na semana passada, o petista disse que o governo aceitaria um novo imposto como uma possibilidade de mais recursos para o setor. “A CSS prevista no texto traria entre R$ 10 e R$ 15 bilhões, mas precisamos de R$ 30 bilhões”, projetou.

Enem

Durante a reunião da coordenação política, de acordo com o líder do governo, Dilma avaliou que o resultado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2010 está dentro da meta estabelecida pelo governo. “A meta do governo é alcançar 100 pontos em dez anos e alcançamos 10 pontos neste ano. Então, a meta foi atingida. Houve melhora significativa do ensino no país, dentro do esperado. Não é uma euforia porque temos ainda muito que andar, mas estamos dando os passos na medida certa e está dentro do esperado”, disse Vaccarezza.

Sobre a diferença de desempenho entre estudantes de escolas públicas e privadas, o líder disse que no passado essa discrepância era ainda maior. "Se observarmos há dez anos, sete, a discrepância era maior e não temos ainda esse dado, mas a expectativa é que essa discrepância esteja menor". Os números do Enem divulgados hoje mostram que, responsáveis por 88% das matrículas do ensino médio do país, as escolas públicas são maioria entre as que ficaram com nota abaixo da média nacional em 2010.

Com informações da Agência Brasil

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!