Governo libera recursos para acalmar base

Em reunião com líderes governistas, ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, anunciou liberação de emendas individuais deste ano e dos anteriores

Após a obstrução branca da semana passada, quando a base governista resolveu não votar projetos na Câmara, o Palácio do Planalto resolveu agir para acalmar a situação na Casa. Em reunião com líderes da base, a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, anunciou a liberação de emendas deste ano e os restos a pagar. A demora na liberação das emendas é uma das maiores insatisfações dos parlamentares aliados com o governo federal.

Insatisfação da base derruba votações na Câmara
PMDB planeja dar um “susto” em Dilma Rousseff

Cristovam: “crise pode ser mais grave do que parece”

De acordo com o líder do PTB, deputado Jovair Arantes (GO), que participou da reunião com a ministra, o governo prometeu empenhar emendas deste ano (R$ 1,5 milhões para os deputados novatos e R$ 2 milhões para os antigos) e liberar até R$ 500 milhões de despesas inscritas em restos a pagar de orçamentos anteriores, com base em um calendário mensal. A ministra não informou o valor global dos recursos que vão ser liberados.

Os líderes estimam que ele chegue próximo a R$ 1 bilhão. Somente as emendas individuais ao Orçamento de 2011 somam R$ 7,7 bilhões. “Isso já começa a movimentar a máquina, está razoável, mas o que nós queremos é que a máquina funcione e não deixe os municípios morrerem por falta de recursos”, avaliou Arantes. Porém, o petebista adianta que haverá uma "operação padrão" até que a liberação dos recursos seja normalizada. Ou seja, o clima de insatisfação entre base e governo vai continuar.

O líder do PMDB, deputado Henrique Eduardo Alves (RN), afirmou que o mais importante foi a decisão de executar a promessa de pagamento dos restos a pagar. “Os municípios estão em situação vexatória. São obras já concluídas e não pagas. O que estiver pronto, as prefeituras com documentação regular, vão receber. Essa foi a grande notícia de hoje. O governo já tinha acertado, mas isso não vinha sendo executado”, afirmou o peemedebista.

Com informações da Agência Câmara

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!