Governo de Honduras suspende toque de recolher, após assassinato

Lúcio Lambranho, enviado especial a Honduras


Tegucigalpa (Honduras) - O governo interino de Honduras anunciou neste domingo (12) que está suspenso o toque de recolher que vigorava no país desde o golpe de estado no último dia 28 de junho. A proibição, que impedia a circulação de pessoas entre 23h e 4h, durou 15 dias desde que o presidente hondurenho Manuel Zelaya foi retirado do poder.


Para dirigentes sindicalistas, o governo cedeu a pressões de empresários com negócios que funcionam durante a noite. Ainda assim, líderes acreditam que a repressão contra protestos deve continuar.


“Mesmo com o fim do toque de recolher, estamos prevendo mais repressão contra os protestos e até mesmo prisões seletivas de dirigentes de sindicatos”, disse ao Congresso em Foco Juan Barahouna, presidente da Federação de Unidade dos Trabalhadores de Honduras e dos principais líderes do protesto contra o golpe.  


Assassinato


Por volta da noite de ontem (11), um dos líderes do Bloco Popular foi assassinado com três tiros. Roger Bados foi morto em frente a sua casa em San Pedro Sula, cidade situada a 240 quilômetros da capital hondurenha.


Segundo dirigentes do grupo que compõe os principais sindicatos e federações de trabalhadores em protesto deste o golpe de estado, ainda não é possível confirmar se o assassinato foi um crime político. Bados era integrante do partido União Democrática (UD) e ex-presidente do sindicato dos trabalhadores da indústria de cimento.


Leia aqui: Asesinado dirigente popular en Honduras


“Ainda não podemos confirmar as circunstâncias precisas deste ato, mas vamos acionar as organizações de Direitos Humanos para investigar o caso”, disse Barahouna ao site. Segundo o líder, o autor dos disparos estaria em uma bicicleta e os tiros teriam sido disparados pelas costas contra o sindicalista de San Pedro Sula.


Desde as 10hs da manhã de hoje (12h no Brasil) cerca de mil manifestantes fazem um protesto na praça central de Tegucigalpa e em frente da catedral da capital hondurenha. O anúncio do crime contra o dirigente político foi anunciado pelos organizadores da manifestação.

Até o momento, os principais jornais de Honduras, La Prensa e El Heraldo, ignoram a morte do dirigente de esquerda. As duas publicações são acusadas pelos manifestantes e apoiadores do presidente deposto Manuel Zelaya de apoiar o golpe, assim como as principais federações de empresários.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!