Governistas rejeitam convocação de tesoureiro de Dilma na CPI

Parlamentares da base aliada acreditam que não existem indícios para depoimento de José de Filippi. Para a oposição, petista deve explicar suspeita sobre o uso da máquina para arrecadação para a campanha de 2010

A maioria governista na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira conseguiu rejeitar nesta quinta-feira (5), por 17 votos a dez, a convocação do deputado José de Filippi (PT-SP), responsável pela arrecadação de fundos para diversas campanhas do PT nas eleições de 2010. Integrantes da oposição queriam ouvir o petista por causa da suspeita do uso da máquina pública para conseguir doações de empresas que prestam serviço ao governo federal.

Leia tudo sobre o Caso Cachoeira

Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

O requerimento apresentado pelo PSDB usa como base entrevista publicada pela revista Istoé em junho com o ex-diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Luiz Antônio Pagot. De acordo com a semanal, o tesoureiro da campanha presidencial de Dilma Rousseff e de outros candidatos do PT pediu que Pagot arrecadasse recursos junto às empreiteiras. Foi apresentada, então, uma lista com cerca de 40 empresas médias e grandes com contratos com o DNIT.

"Vamos convocar o senhor de Fillipi pela mesma razão que foi convocado o Paulo Preto. Vamos ser justos, vamos ser isonômicos", disse o deputado Domingos Sávio (PSDB-MG). Momentos antes, a CPI aprovou a convocação de uma série de pessoas. Entre elas, o ex-diretor da Desenvolvimento Rodoviário S.A (Dersa) Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto. Também foram convocados o ex-presidente da Delta Fernando Cavendish e o próprio Pagot.

Para o deputado Sílvio Costa (PTB-PE), a oposição pretende politizar a CPI com a convocação de José de Filippi. Ele entende que não existem indícios para trazer o tesoureiro à comissão. "O Filippi não liberou um real para a Delta, não apareceu em nenhuma gravação", disse. "Não há nenhum indício que o senhor José tenha participado de algum ato ilícito", completou o deputado Maurício Quintella Lessa (PR-AL).

Antes de votar uma série de requerimentos em bloco, a oposição concordou com a pauta desde que a convocação do tesoureiro do PT fosse analisado na sequência. "Como o PSDB pode estar politizando com uma minoria? Como pode o PSDB estar politizando se aceita a convocação do Paulo", questionou o senador Álvaro Dias (PSDB-PR). "A pessoa que tem a consciência tranquila não se sente desonrada ao vir ao parlamento", afirmou o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ).

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!