Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

Gilmar Mendes quer que PF investigue quem o xingou em voo

 

Com objetivo de descobrir quem o xingou durante um voo que partiu de Brasília rumo a Cuiabá, no último sábado (27), o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), enviará uma representação à Polícia Federal pedindo que o autor das ofensas seja investigado. A informação foi revelada na manhã desta quarta-feira (31) pela jornalista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo, e confirmada por este site.

Alvo de protestos por passageiros que estavam na mesma aeronave que o ministro, em vídeo que circula na internet e em grupos de WhatsApp, um passageiro diz: “Polícia Federal para ele [Gilmar Mendes]. O amigo do Daniel Dantas, do Aécio Neves”. Mais ao fundo, uma passageira provoca: “Vergonha para família”. Em outro momento do voo, os passageiros entram no coro de “fora Gilmar”. Calado, o ministro apenas sorri, sem rebater às provocações.

<< Ministro do STF ouve coro de “fora Gilmar” durante voo; veja o vídeo

“Tomataços”

Em outubro do ano passado, o ministro foi alvo de dois “tomataços”, em ocasiões diferentes, na entrada do Instituto de Direito Público (IDP), instituição de ensino e pesquisas da qual é sócio-fundador. Conforme a Folha de S. Paulo antecipou, Gilmar Mendes também pediu que a PF abra inquérito para investigar o suposto líder do grupo que teria oferecido R$ 300 para quem acertasse um tomate no magistrado.

"Claramente, a intenção do Representado não era a de realizar um protesto pacífico – dentro dos limites do direito à liberdade de expressão –, mas de verdadeiramente ameaçar o Representante e de lhe ocasionar lesão corporal e patrimonial, na medida em que, consoante o texto, (i) o tomataço deveria ser direcionado à sua cabeça e que (ii) foram apostas aspas no vocábulo pacífico – ressaltando, justamente, a violência do ato", diz parte do texto da representação enviada à PF, que pede que o  suspeito "seja penalmente responsabilizado por suas condutas". O pedido foi enviado à PF no dia 28 de dezembro de 2017.

No início deste mês, o ministro foi seguido e hostilizado por duas brasileiras pelas ruas de Lisboa, capital de Portugal. Gilmar viaja com frequência para aquele país, onde tem casa.“A gente pede pra Deus levar o senhor pro inferno”, foi o que o magistrado ouviu naquela oportunidade.

Gilmar foi responsável, entre outros casos, pela soltura de figuras conhecidas como o ex-ministro José Dirceu, o empresário Eike Batista, o médico Roger Abdelmassih e o banqueiro Daniel Dantas. No ano passado, o ministro também mandou soltar, duas vezes em menos de 24h, o empresário Jacob Barata Filho, magnata do transporte público do Rio, preso por corrupção. Em 2013, o ministro foi padrinho de casamento da filha de Barata.

<< Gilmar e Moraes são recebidos com “tomataço” em evento no IDP

<< Gilmar Mendes é hostilizado por brasileiras em Portugal; veja o vídeo

Continuar lendo