Gastos com plebiscito foram reduzidos em R$ 6 milhões, diz ministro

De acordo com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Ricardo Lewandowski, custo total do pleito ficará em torno de R$ 19 milhões

Em entrevista coletiva concedida neste domingo (11) em Belém, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski, disse que os custos da realização do plebiscito sobre o desmembramento do Pará foram reduzidos em R$ 6 milhões (de R$ 25 milhões para R$ 19 milhões). Tendo sido iniciado às 9h, o pleito transcorre sem problemas e se aproxima do desfecho, às 20h – segundo o ministro, o resultado pode ser “matematicamente definido” até o fim do dia.

Conheça uma curiosidade histórica da “capital” de Tapajós:
A lição dos “três patetas de Santarém”

O ministro informou ainda que tudo corre dentro da normalidade, e que a única ocorrência foi uma apreensão de material ilegal, em Belém. Lewandowski disse ainda que a realização do plebiscito é um “momento histórico” a demonstrar que a democracia brasileira está “amadurecida e consolidada”.

De acordo com a Justiça Eleitoral paraense, o sistema de apuração de votos integrará 257 pontos de transmissão móveis distribuídos por todo o estado. Assim que a votação for encerrada, boa parte dos dados poderá ser reunida e transmitida para a central de apuração, em Belém, graças ao sistema de transmissão via satélite instalado em muitas das urnas eletrônicas.

Devido às características geográficas do interior do Pará, há zonas eleitorais distantes até 1.000 quilômetros do município aos quais são relacionadas. Outra dificuldade diz respeito ao isolamento de certos locais de votação, alguns acessíveis apenas por embarcações. As despesas principais são com alimentação e transporte de servidores e voluntários envolvidos com o processo plebiscitário, impressão de material informativo, segurança e logística.

Segundo a última pesquisa divulgada pelo Datafolha, o Pará permanecerá uno. Tanto a criação de Carajás quando a de Tapajós devem ficar no papel, graças ao fato de que a maioria dos eleitores  está concentrada em Belém e na região metropolitana, onde o “não” vence com folga. Na hora de votar, o eleitor deve responder às seguintes perguntas: “Você é a favor da divisão do Estado do Pará para a criação do Estado do Tapajós?” e “Você é a favor da divisão do Estado do Pará para a criação do Estado do Carajás?”. Para rejeitar a sugestão, digita-se 55; do contrário, escolhe-se os dígitos 77.

Leia mais:

Plebiscito transcorre sem problemas graves

Tripartição do Pará divide opiniões

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!