Fidelidade a Temer chegou a 92% dos governistas presentes

Dos 386 deputados de partidos da base governista presentes à votação da PEC 241, 358 votaram a favor da proposta que limita os gastos públicos pelos próximos 20 anos. PMDB e PSDB não tiveram dissidência. PSB e PPS foram os menos “fieis”

 

 

No primeiro grande teste de sua base parlamentar, o presidente Michel Temer (PMDB) teve o apoio de 86,9% de seus aliados. Dos 412 deputados de partidos que apoiam Temer, 386 registraram presença na votação que aprovou, em primeiro turno, a proposta de emenda constitucional (PEC 241/16) que limita o teto dos gastos públicos por 20 anos. Entre eles, 358 (92,7% dos presentes) votaram a favor da PEC. Com as dissidências em bancadas não governistas, o texto passou com 366 votos favoráveis, 111 contrários e 2 abstenções. A presença de parlamentares do PT e do Psol não contou ao final porque essas legendas se declararam em obstrução.

Apenas 27 parlamentares governistas se abstiveram ou votaram contra a proposta considerada prioritária pelo Palácio do Planalto para tentar reequilibrar as contas públicas. Outros 26 faltaram à sessão. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não votou por restrição regimental. Os partidos que mais renderam votos para o governo foram o PMDB, de Temer, com o apoio de todos os 64 deputados presentes, e o PSDB, com 47.

Entre os principais aliados, o PSB foi o menos “fiel” ao governo nessa segunda-feira, com dez votos contrários. Outros 22 integrantes da legenda do ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, apoiaram a medida. Fernando Coelho voltou à Câmara apenas para votar e deve reassumir nesta terça o ministério.

Embora não tenham fechado questão, o PR e o PSD ameaçaram punir deputados que não votassem com o governo. Estão sob risco por esse motivo Expedito Netto (PSD-RO), Clarissa Garotinho (PR-RJ) e Zenaide Maia (PR-RN) votaram contra a PEC; o deputado Silas Freire (PR-PI) se absteve.

O PPS, que comanda o Ministério da Defesa, com Raul Jungmann, se dividiu na votação: quatro votaram a favor da proposta, três foram contra, e um se absteve. Dois deputados do PP se manifestaram contra o teto dos gastos e cinco se abstiveram. Também houve divergência na oposição: seis dos 19 pedetistas apoiaram a mudança na Constituição proposta pelo Executivo.

Abaixo, a relação dos governistas que votaram contra a PEC 241 ou se abstiveram:

DEM

Professora Dorinha Seabra Rezende (TO) - contra

PEN

Walney Rocha (RJ) - contra

PMB

Weliton Prado (MG) - contra

PP

Marcelo Belinati (PR) - contra

Rôney Nemer (DF) - contra

PPS

Arnaldo Jordy (PA) - contra

Carmen Zanotto (SC) - contra

Eliziane Gama (MA) - contra

PR

Clarissa Garotinho (RJ) - contra

Silas Freire (PI) - abstenção

Zenaide Maia (RN) - contra

Pros

Bosco Costa (SE) - contra

George Hilton (MG) - contra

Odorico Monteiro (CE) - contra

PSB

César Messias (AC) - contra

Danilo Cabral (PE) - contra

Gonzaga Patriota (PE) - contra

Heitor Schuch (RS) - contra

Janete Capiberibe (AP) - contra

JHC (AL) - contra

João Fernando Coutinho (PE) - contra

Jose Stédile: (RS) - contra

Júlio Delgado (MG) - contra

Tadeu Alencar (PE) - contra

PSD

Expedito Netto (RO) - contra

PTB

Arnaldo Faria de Sá (SP) - contra

SD

Major Olimpio (SP) - contra

366 x 111: veja como cada deputado votou na PEC do teto de gastos

Câmara aprova proposta que limita gastos da União pelos próximos 20 anos

Mais sobre PEC 241

Mais sobre gastos públicos

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!