Feliciano pede prisão de manifestante na Câmara

Sessão da CDH é marcada por tumultos entre apoiadores e opositores do deputado Pastor Marco Feliciano. Após confusão, deputados trocaram de sala e fecharam para presença do público

Um manifestante identificado como Marcelo Pereira foi detido pela Polícia Legislativa na tarde desta quarta-feira (27) a pedido do deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP). De acordo com o deputado do PSC, que preside uma audiência pública, Marcelo entrou na reunião da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDH) da Câmara e chamou o de racista. O integrante do movimento "Não me representa" foi levado por seguranças até a sede da Polícia Legislativa da Casa.

"Ele me chamou de racista e racismo é crime. Ele vai sair preso daqui", afirmou o deputado durante a sessão. Em seguida, Marcelo foi detido e levado para ser interrogado. O manifestante saiu da sala dizendo que estava sendo preso por ser negro. Colegas tentaram segura-lo e impedir a detenção, mas, mesmo assim, os seguranças da Casa o retiraram do local. Além de Marcelo, outros manifestantes gritavam palavras de ordem, como "Feliciano não me representa".

Segundo o deputado Chico Alencar (Psol-RJ), Marcelo presta esclarecimentos à Polícia. O parlamentar criticou o pedido de Feliciano e disse que o episódio mostra "sua inadequação à frente da comissão". "Este fato nos ajuda a explicar que Feliciano não tem condições de presidir esta comissão. Vamos mostrar isso", disse.

Devido ao incidente, a reunião foi interrompida e transferida para outra sala. A sessão foi reaberta apenas para parlamentares, assessores e jornalistas. Esta é a terceira reunião que a comissão realiza. Manifestantes contrários e a favor do pastor permanecer no cargo estão, desde o início da tarde, na porta do colegiado, que realiza audiência sobre contaminação do solo por chumbo em Santo Amaro da Purificação, na Bahia. Após o reinício da sessão, Feliciano passou a presidência da sessão para o autor do requerimento da audiência, deputado Roberto Lucena (PV-SP).

Além da pressão de movimentos sociais, Feliciano enfrenta oposição de outros parlamentares, inclusive do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) que deseja vê-lo fora da presidência da CDH. Na semana que vem, líderes partidários conversarão com o pastor para tentar convencê-lo a sair da comissão. Pela manhã, após visita à Embaixada da Indonésia, ele garantiu que não vai sair do cargo.

Também fez críticas ao trabalho da imprensa. Disse que não existe crise na Comissão de Direitos Humanos e que os jornalistas escrevem "muita besteira". "Vocês estão ultrapassando o meu limite de espaço. Estou aqui por um assunto sério e vocês estão de brincadeira", afirmou.

Jean Wyllys aposta em aumento de protestos contra Feliciano
Henrique Alves: é preciso respeitar decisão do PSC

Para Anistia Internacional, escolha de Feliciano é inaceitável
Em carta, líderes evangélicos cobram saída de Feliciano da CDH
Conselho de igrejas quer saída de Feliciano da CDH

Leia tudo sobre Marco Feliciano

Curta o Congresso em Foco no Facebook
Siga o Congresso em Foco no Twitter

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!