Fachin rejeita pedido para suspender depoimento de Temer à Polícia Federal

Advogados do presidente queriam que ele só prestasse depoimento após perícia na gravação realizada por Joesley Batista, delator da Lava Jato e um dos donos da JBS

 

O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), negou, nesta quarta-feira (31), pedido feito pela defesa do presidente Michel Temer (PMDB) para suspender depoimento do presidente em inquérito no qual o presidente é investigado por corrupção passiva, obstrução à Justiça e organização criminosa. Além disso, Fachin também não autorizou que as perguntas fossem formuladas pela Polícia Federal sem conexão com a gravação feita pelo empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, conforme pretendia a defesa.

Leia também:
Defesa de Temer pede suspensão do depoimento até conclusão da perícia em áudio gravado por Joesley

No entanto, o ministro, que é o relator da Operação Lava Jato na Corte, disse que o presidente pode deixar de responder a perguntas que forem feitas pela PF no depoimento no qual o presidente deverá prestar por escrito sobre as citações a seu nome nas delações da JBS.

O pedido da defesa era para que Temer só prestasse depoimento após perícia na gravação realizada por Joesley. Para o ministro, o presidente tem o direito constitucional de não produzir provas contra si. Na decisão, o ministro entendeu que não cabe um pronunciamento dele sobre o pedido feito pela defesa para que Temer deixe de responder a perguntas que forem feitas pela PF sobre o áudio em que o presidente foi gravado em uma conversa com o empresário Joesley.

A decisão do ministro Edson Fachin sobre o depoimento de Temer foi tomada na tarde de ontem (terça-feira, 30). De acordo com o ministro, que atendeu a questionamento do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, sobre a forma como o depoimento deveria ser colhido, a PF deve enviar perguntas ao presidente por escrito e Temer terá 24 horas, após a entrega das perguntas, para responder aos questionamentos.

Na mesma decisão, Fachin também determinou o envio imediato do inquérito que investiga o presidente à Polícia Federal, para conclusão das investigações. De acordo com o ministro, isso deverá ser feito no prazo de até dez dias.

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!