Ex-presidente do PP acusa Aldo Rebelo de receber propina

Condenado no mensalão e preso na Lava Jato, Pedro Corrêa diz que ex-ministro e ex-presidente da Câmara recebeu dinheiro desviado de contratos do Minha Casa, Minha Vida em esquema que, segundo ele, beneficiava PCdoB, PT e PP. Aldo diz que acusação é falsa e caluniosa

O ex-deputado federal Pedro Corrêa (PP-PE) acusou o ex-ministro e ex-presidente da Câmara Aldo Rebelo (PCdoB-SP) de receber propina de um esquema de corrupção envolvendo o programa Minha Casa, Minha Vida. Condenado no mensalão e preso na Lava Jato, o delator disse que os desvios eram operados pelo ex-diretor de Produção Habitacional do Ministério das Cidades Daniel Vital Nolasco, militante do PCdoB.

Segundo Pedro Corrêa, Nolasco foi indicado ao cargo por Aldo, a quem repassava um terço da propina destinada ao partido, conforme reportagem exibida ontem (17) pelo Jornal Nacional, da TV Globo. Com 72 anexos sobre casos de corrupção, a delação de Corrêa precisa ser homologada pelo ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), para ter validade.

O ex-deputado também citou o envolvimento de pessoas ligadas ao PP e ao PT em desvios do Minha Casa Minha Vida. De acordo com Corrêa, Nolasco era sócio de uma empresa, a RCA Assessoria, com um ex-assessor dele no Ministério das Cidades. A empresa, segundo o ex-parlamentar, cobrava taxas de 10% a 30% para intermediar a construção de casas populares.

O ex-presidente do PP afirmou que a RCA atuou na construção de 113 mil casas e que, se as taxas cobradas pela empresa não fossem pagas, os projetos não tinham andamento. O dinheiro, declarou o delator, era distribuído entre PCdoB, PT e PP.

Aldo negou envolvimento em irregularidades e disse que processará Pedro Corrêa. “São falsas, caluniosas e receberão como resposta um processo contra suas falsidades, pelas quais responderá perante a Justiça. Não indiquei integrantes para o Ministério das Cidades, não tive qualquer responsabilidade na atuação de eventuais indicações para aquele ministério”.

Mais sobre corrupção

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!