Ex-governador de Minas se livra de inquérito por uso de documento falso

Possibilidade de Newton Cardoso ser punido acabou porque caso aconteceu em 2011 e o deputado já tem mais de 70 anos. Ele era investigado por supostamente ter comprado carvão vegetal com documento falso

O ex-governador de Minas Gerais Newton Cardoso (PMDB) se livrou de uma investigação que apurava se ele comprou carvão vegetal com documento florestal falso. O ministro Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki declarou extinta a possibilidade de o parlamentar ser punido em inquérito aberto contra ele no ano passado. O peemedebista se livrou da investigação porque a Procuradoria-Geral da República (PGR) e o ministro reconheceram a prescrição do caso - excesso de tempo entre os fatos denunciados e a data de abertura e conclusão de um procedimento.

 

Em 2011, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) apreendeu uma carga de 120 metros cúbicos de carvão vegetal com documentação considerada inválida. De acordo com a papelada, metade da carga era destinada à empresa Itasider Usina Siderúrgica Itaminas S/A e a outra metade, a uma empresa pertencente ao deputado, a Companhia Siderúrgica Pitangui.

Justiça condena Newton Cardoso por improbidade administrativa

O inquérito contra Cardoso estava no Supremo desde outubro de 2013. Mas a PGR opinou pela extinção da possibilidade de ser punido. Houve a chamada "prescrição da pretensão punitiva".

De acordo com Teori, não passa de um ano a punição máxima para o crime de comprar ou receber carvão ou outros produtos de origem vegetal sem a documentação válida. Então, disse o ministro, o caso prescreveria em quatro ano anos. Mas Newton Cardoso tem mais de 70 anos. “Como o investigado já é maior de 70 anos, o prazo deverá ser reduzido à metade (dois anos). Já que os fatos teriam ocorrido supostamente em julho de 2011, ou seja, há quase três anos, sem nenhuma causa interruptiva ou suspensiva desde então, operou-se a prescrição”, consta da decisão assinada por Zavascki  e publicada nesta segunda-feira (5).

Teori Zavascki determinou a devolução dos autos à Justiça da cidade de Pitangui (MG) para providências em relação à Newton Cardoso Júnior, filho do deputado, e à Companhia Siderúrgica Pitangui. Dono do quarto maior patrimônio declarado no Congresso (R$ 78 milhões), Cardoso foi governador e vice-governador de Minas.

Leia mais sobre parlamentares processados

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!