Ex-dirigente da Camargo Corrêa diz que Petrobras continua a pagar sobrepreço

Ex-vice-presidente da empreiteira disse, à CPI da Petrobras, que o pagamento de propina era de 2% sobre os valores dos contratos firmados entre a estatal e a Camargo Corrêa

O executivo Eduardo Hermelino Leite disse há pouco que a Petrobras continua a pagar sobrepreço relativo ao valor de propina nos contratos feitos com as empresas acusadas de formação de cartel. Leite, que é ex-vice-presidente da construtora Camargo Côrrea, fez essa afirmação ao responder pergunta do deputado Altineu Cortes (PR-RJ), um dos sub-relatores da CPI da Petrobras.

Mais cedo, Leite havia dito à CPI que os valores relativos ao pagamento de propina eram de 2% sobre os valores dos contratos e que esse percentual era acrescido nas propostas da Camargo Corrêa à Petrobras.

Desses 2%, metade era destinada à diretoria de Abastecimento, ocupada por Paulo Roberto Costa, e a outra metade para a diretoria de Serviços, ocupada por Renato Duque.

O deputado Altineu Cortes quis saber se a Camargo Corrêa fez o desconto desses 2% nos valores dos contratos depois de deixar de pagar a propina, em decorrência da Operação Lava Jato. “Não”, respondeu o executivo. “Então a Petrobras continuou a pagar o sobrepreço mesmo depois que cessou o pagamento de propina?”, perguntou o deputado. “Acredito que sim. Acho que isso tudo continua existindo porque tinha como fundamento maus projetos. O conjunto dessa obra continua existindo lá”, disse Leite.

Mais informações sobre CPI da Petrobras

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!