Ex-diretor do Ipea é chamado a explicar ingerência política durante eleições

Oposição quer que Herton Araújo fale sobre pressão que alega ter recebido para adiar a divulgação de pesquisa que apontava crescimento nos indicadores de pobreza

O ex-diretor do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Herton Araújo foi chamado a explicar, no Senado, denúncias de que houve ingerência política no órgão durante as eleições do ano passado. O convite, de autoria do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), foi aprovado, nesta terça-feira (18), pela Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle.

Caiado quer que Herton confirme o teor do depoimento que prestou à Justiça eleitoral em ação que pede a cassação da chapa encabeçada pela presidente Dilma Rousseff por abuso de poder econômico e político. O ex-diretor alega que foi orientado a adiar, para depois da campanha eleitoral, a divulgação de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) que apontavam o crescimento da pobreza no Brasil. Segundo Herton, a pressão política o motivou a pedir para deixar a direção do Ipea.

"O Ipea foi censurado pela campanha de reeleição da presidente como parte do imenso estelionato eleitoral que escondeu a real situação do país e ajudou a quebrar ainda mais a nossa economia. Os envolvidos terão que responder", afirmou Caiado ao justificar o convite ao ex-diretor.

Por se tratar de um convite, e não de uma convocação, Herton Araújo não está obrigado a comparecer. A data da audiência, que ainda não foi marcada, será definida conforme a agenda do convidado.

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, em depoimento prestado em maio deste ano, o ex-diretor afirmou que a nova Pnad mostrava que a ''pobreza tinha aumentado de 3, alguma coisa para 4, alguma coisa''. "Aí eu recebi a notícia de que eu não podia falar com a imprensa por causa da lei eleitoral", contou à Justiça eleitoral.

O Ipea é vinculado à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência. Ele disse ter recebido, em seguida, e-mail de outro diretor do órgão com o seguinte teor: "'É, Herton, acho que nesse período de eleição', ele até brincou assim, 'o que é terra vira mar e o que é mar vira terra. Eu estou com um monte de produto aqui que eu estou querendo divulgar e foi pedido para a gente divulgar só depois das eleições'".

O ex-presidente do Ipea Serguei Soares argumenta que a decisão de não divulgar o estudo foi tomada pela diretoria colegiada, por unanimidade, antes de o instituto ter acesso aos dados. Segundo ele, apenas trabalhos com periodicidade regular foram publicados. "Herton jamais [pode] dizer que foi para beneficiar quem quer que seja", declarou à Folha.

Mais sobre Ipea

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!