Ex-diretor da Odebrecht afirma a Moro que Palocci era o “Italiano”

"A gente sabia que o Italiano era o Palocci", disse Fernando Sampaio, ex-diretor da Odebrecht, em videoconferência ao juiz Sérgio Moro. Palocci é réu e está preso desde o dia 26 de setembro

 

O ex-diretor da Odebrecht Fernando Sampaio confirmou ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato no Paraná, que o apelido "Italiano" era sim uma referência ao ex-ministro Antônio Palocci.  Fernando Sampaio foi arrolado como testemunha de defesa de Marcelo Odebrecht, ex-presidente da Odebrecht. Palocci foi ministro da Fazenda, no governo Lula, e da Casa Civil, no governo de Dilma Rousseff. Atualmente, ele é réu na Lava Jato e está preso preventivamente desde 26 de setembro de 2016.

Ao ser questionado sobre um e-mail enviado por Marcelo Odebrecht, em que Fernando Sampaio Barbosa era um dos destinatários, o ex-diretor respondeu: "A gente sabia que o Italiano era o Palocci". Em seguida, Sérgio Moro perguntou:"A gente sabia quem?". Sampaio respondeu:"Eu sabia. Eu tinha sido informado pelo Márcio Faria [outro ex-diretor da Odebrecht]".

Mais na frente, Moro novamente questiona sobre a referência ao "Italiano" na troca de mensagens e o ex-diretor responde: "Como eu falei anteriormente, seria o senhor Antonio Palocci". As declarações foram realizadas por videoconferência de São Paulo, na manhã desta segunda-feira (6).

Palocci apareceu em uma das planilhas da Odebrecht com o codinome "Italiano". Preso na 35ª fase da Operação Lava Jato, o ex-ministro é acusado de ser o elo entre as tratativas da Odebrecht e o centro do poder político brasileiro entre 2008 e 2013. De acordo com a força-tarefa, as vantagens indevidas repassadas pela maior empreiteira do país ao PT, no período, chegam a R$ 128 milhões. Havia, segundo a Polícia Federal, “uma verdadeira conta corrente” para movimentar os valores repassados do grupo para o Partido dos Trabalhadores.

Palocci entrou no alvo da Lava Jato após ter sido citado pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa em sua delação premiada. De acordo com Costa, o doleiro Alberto Youssef lhe contou que Palocci pediu R$ 2 milhões da cota de propina do PP para a campanha da ex-presidente Dilma.

A 35ª fase foi batizadas de "Ometá", de acordo com a Polícia Federal, o nome é uma referência ao codinome "italiano", utilizado por dirigentes da Odebrecht para se referir a Palocci.

Assista abaixo ao depoimento:

 

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!