Estrutura de comunicação do Congresso custa pelo menos R$ 103 milhões

Levantamento realizado pelo jornal Folha de S.Paulo mostra que órgãos de comunicação da Câmara e do Senado empregam uma equipe de 1.212 funcionários. Custo para manter a estrutura este ano é de pelo menos R$ 103 milhões

A estrutura de comunicação do Congresso Nacional, que inclui TV Senado, TV Câmara, agências de notícias e rádios, emprega uma equipe de 1.212 funcionários, segundo levantamento realizado pelo jornal Folha de S.Paulo. Os órgãos custarão ao contribuinte este ano pelo menos R$ 103 milhões, isso sem levar em conta os gastos com a folha de pessoal daqueles que são concursados e comissionados.

A remuneração de profissionais concursados e comissionados na área de comunicação do Congresso vai de R$ 14,3 mil a R$ 27,4 mil. Os terceirizados, que representam 61% da equipe, recebem de R$ 1.300 a R$ 10,8 mil. A maioria destes funcionários são vinculados à empresa Plansul Planejamento e Consultoria Ltda., que enfrenta problemas na Justiça.

A empresa de Santa Catarina aparece como parte envolvida em diversos processos envolvendo órgãos públicos e já foi alvo de condenações por irregularidades. Uma delas resultou na determinação do pagamento de R$ 9 milhões por motivar a rescisão de contrato firmado com Furnas.

A Plansul informou à reportagem que é uma empresa que trabalha há 32 anos no mercado "sem qualquer envolvimento político partidário" e que todos os seus "contratos são decorrentes de licitações". A organização acrescenta que seus processos judiciais permanecem sendo discutidos nos tribunais.

A estrutura da Secretaria de Comunicação do Senado é a mais robusta, com 662 funcionários. A organização é formada por um conjunto de mídias: TV Senado, Rádio Senado, "Jornal do Senado" (impresso) e Portal do Senado, além de outros órgãos ligados à comunicação institucional, como relações públicas e canais de relacionamento com o público.

Apesar da farta mão de obra, a Casa ainda pode contratar profissionais de fora, como ocorreu com a escritora Margarida de Aguiar Patriota, que recebeu R$ 95 mil pela produção e apresentação na Rádio Senado do programa "Autores e Livros". Procurada, a Secom informou que a quantidade de funcionários se justifica pelo elevado número de atribuições.

A Câmara, por sua vez, conta com 550 profissionais atuando na rede de comunicação, que integra TV Câmara, Rádio Câmara, Portal da Câmara e outros órgãos da área. Do total de funcionários, 88 exercem funções típicas de jornalistas e 81 possuem formação superior em comunicação social e atuam em atividades diversas.

O deputado José Priante (PMDB-PA) assumiu há pouco mais de um mês o comando da Secom da Câmara e disse que ainda não tem um diagnóstico formado em relação à estrutura de comunicação da Casa. "Eu confesso que a olho nu me parece uma dimensão um tanto quanto exagerada, mas evidentemente tenho que avaliar todas as atividades porque, enfim, é a construção da notícia, de coberturas, de TVs, de rádio. Eu estou chegando na secretaria e encontrando esse quadro", disse o parlamentar ao jornal.

Leia a reportagem completa no jornal Folha de S.Paulo

Mais sobre gastos públicos

Mais sobre mídia

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!