Erro contábil faz BNDES rever patrimônio, que cai a menos da metade

Má interpretação de norma do Conselho Monetário Nacional fez com que quatro bancos estatais reajustassem suas contas. Não houve má-fé, conclui Banco Central

Uma observação do ex-ministro Joaquim Levy durante reunião do Conselho de Administração do BNDES, no final do mês de março, sobre a contabilidade do banco de fomento fez com que a instituição ajustasse as contas desde o fim de 2013. Os cálculos fizeram com que o patrimônio do BNDES fosse reduzido a R$ 30,7 bilhões em 31 de dezembro de 2014, menos da metade dos R$ 66,3 bilhões informados na demonstração Cosif (conjunto de diretrizes contábeis brasileiras para instituições financeiras), como informa reportagem do jornal Folha de São Paulo.

O ajuste envolveu o Banco Central (BC) e afetou quatro bancos estatais, que também tiveram que corrigir seus balanços contábeis – BNDES, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banco da Amazônia. O erro já havia sido identificado pelo BC, que em janeiro pediu aos bancos que refizessem os cálculos. Na Caixa a diferença foi de R$ 35,9 bilhões; no Banco do Brasil, R$ 8,1 bilhões; e no Banco da Amazônia, R$ 982 milhões.

De acordo com o BC, a confusão aconteceu em razão de má interpretação, por parte das instituições financeiras, sobre norma do Conselho Monetário Nacional (CNM) formalizada em 2013. A regra estabelece que os empréstimos do Tesouro deveriam constar como dívida, e não como parte do patrimônio líquido.

Não foi aplicada qualquer punição em decorrência do erro, uma vez que o BC entendeu que não houve má-fé dos bancos ou dos auditores independentes. Os técnicos do governo afirmam que o problema era apenas contábil, e não afetou a saúde financeira das instituições.

Em resposta à reportagem, o BNDES argumentou que adotava a fórmula anterior de cálculo porque era o entendimento vigente entre a instituição e seus auditores. O banco também reiterou que a mudança não teve impacto negativo sobre seu patrimônio.

Veja a reportagem completa no jornal Folha de São Paulo

Mais sobre BNDES

Mais sobre economia brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!