Época: agência do PT paga mesada de R$ 20 mil a ‘Dilma Bolada’

Revista informa que verba está declarada em documentos enviados ao STJ por advogados da Pepper, que faria “guerrilha virtual” para o PT

Com mais de 1,6 milhão de seguidores no Facebook e outros 456 mil no Twitter, o personagem Dilma Bolada, criado pelo publicitário Jeferson Monteiro, recebe R$ 20 mil mensais da agência Pepper Interativa, “espécie de agência parapartidária do PT”, segundo reportagem da revista Época deste fim de semana. A publicação informa que as provas da remuneração vêm de documentos encaminhados por advogados da própria Pepper ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). O perfil é usado em redes sociais para fazer críticas à oposição e defender o governo da presidenta Dilma Rousseff por meio da sátira, com apoio da petista – em agenda informal, mas amplamente explorada na imprensa, ambos se encontraram em ao menos duas ocasiões no Palácio do Planalto, em setembro de 2013 e em outubro de 2014.

Segundo a reportagem, a agência é utilizada “como guerrilha digital a favor do governo e contra os assim declarados inimigos da causa”, e faria tudo o que o PT não pode fazer diretamente, devido a restrições da Justiça Eleitoral, em campanhas eleitorais ou em redes sociais. Com contrato firmado com o PT, a empresa prestou serviço às duas campanhas presidenciais de Dilma Rousseff, em 2010 e em 2014.

Época lembra que a Pepper está sob investigação, no âmbito do STJ, da Operação Acrônimo, que apura evidências de esquema de lavagem de dinheiro e corrupção no poder público em Minas Gerais e envolve o governador do estado, Fernando Pimentel, e operadores do PT. “Época já mostrou que a dona da Pepper, Danielle Fonteles, é investigada por intermediar pagamentos do BNDES para a mulher do governador Fernando Pimentel, Carolina Oliveira, no período em que ele era ministro de Dilma e chefiava o banco”, diz trecho da reportagem, ressaltando que a mesada “não parece” ser ilegal.

A revista lembra ainda ter revelado que o criador de Dilma Bolada chegou a exigir R$ 500 mil da campanha à reeleição da presidenta para manter o personagem ativo. O perfil chegou a ser retirado do ar, recorda a publicação, mas Jeferson teria mudado de ideia e o recolocou na rede. “Quando Época revelou o caso, Bolada, ou Jeferson Monteiro, desceu do salto, fez um barraco, reafirmou que a personagem ‘não estava à venda’ – e não recebeu um real do tesoureiro João Vaccari, amigo de Dani [Fonteles]. A mesada de R$ 20 mil, intermediada pela Pepper, surgiu logo depois, como ‘agrado’, nas palavras de um alto dirigente petista. Começou a ser paga neste ano. O dinheiro sai das contas do PT, entra na Pepper e segue para a empresa do publicitário”, diz outro trecho da reportagem.

Com a repercussão da matéria deste fim de semana, ataques contra Dilma Bolada já surgem com força na internet. E o próprio Jeferson fez questão de explorar a polêmica nas redes sociais. O publicitário retrucou comentários do pastor Silas Malafaia, oposicionista declarado do governo petista. Chamando Jeferson de “bandido”, o líder religioso fez um registro no Twitter comentando a mesada paga pela Pepper. O acusado rebate, e ainda registra os posts no Facebook, sob a exclamação “FATALITY!”. “@PastorMalafaia, todo o dinheiro que ganho é fruto do meu trabalho e declarado. Bandido é quem extorque em nome de Deus e com isenção fiscal!”, diz o publicitário.

Leia a íntegra da reportagem

Mais sobre Dilma Rousseff

Mais sobre Eleições 2014

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!