Feliciano quer 9 milhões de votos para ser senador

Deputado usa Twitter para impulsionar sua pré-candidatura ao Senado. Para ele, é preciso mostrar a “força conservadora”. Suplicy, Serra e Kassab também postulam a única vaga de São Paulo

De olho na popularidade que ganhou em meio às polêmicas colecionadas em 2013, o deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) quer trocar a Câmara pelo Senado. O agora ex-presidente da Comissão de Direitos Humanos utiliza as redes sociais para reforçar sua pré-candidatura a senador. A disputa não será fácil. Com apenas uma vaga em jogo este ano, Feliciano terá de superar pesos pesados da política brasileira, como o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), o ex-governador José Serra (PSDB) e o ex-prefeito paulistano Gilberto Kassab (PSD). Ele estima que precisará de mais de 9 milhões de votos para desbancar os concorrentes.

Feliciano ainda não admite que cargo disputará nas eleições de outubro. Diz que aguarda a definição da aliança que o PSC fará em São Paulo para anunciar o seu futuro. Apesar da indefinição, o deputado utiliza o  Twitter para mostrar os apoios que tem ganhado para a corrida ao Senado.

Na sexta-feira (31), Feliciano encaminhou aos seus 277.167 seguidores reprodução de notas que saíram na imprensa e sites evangélicos sobre o apoio declarado de lideranças religiosas à sua candidatura a senador. Entre os apoiadores estão os pastores Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, e Samuel Ferreira, da Assembleia de Deus, e o apóstolo René Terra Nova, da Igreja da Restauração.

O deputado não foi encontrado pelo Congresso em Foco para comentar a articulação ao Senado. Ao portal gospel Guia-me, porém, ele confirmou a ambição. "Almejo o Senado. Temos poucos senadores comprometidos com nossa causa. Acredito que se lá estivesse, seria um reforço. Ser senador pelo estado de São Paulo mostraria a força conservadora. Ainda estou estudando a possibilidade. Meu partido, o PSC me concede a legenda, e isto já é uma vitória", disse na entrevista ao site especializado sexta-feira. "Preciso de apoio, pois é apenas uma vaga. Será preciso mais de 9 milhões de votos. Estou em oração", emendou.

Em 2010, na sua primeira eleição, Feliciano teve 211.855 votos, alcançados especialmente entre os evangélicos. Após sua passagem polêmica pela presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, deputados ligados a igrejas neopentecostais e ao PSC acreditam que ele tenha condições de dobrar a sua votação para a Câmara. Mas o parlamentar tem demonstrado ter outros planos.

Beijaço

Na última quinta-feira (30), Marco Feliciano se viu em meio a outra polêmica. Entidades ligadas à comunidade LGBT organizaram um “beijaço” em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife (PE), em frente ao trio elétrico em que o pastor comandava um evento evangélico. Diante de alguns casais homossexuais que se beijavam, Feliciano respondeu: "Vocês [os manifestantes] estão me fazendo um bem tremendo e eu fiquei ainda mais forte depois disso. Esse povo ajuda na minha candidatura à Presidência da República”.

Para o deputado, as críticas que lhe são dirigidas só fortalecem o seu nome. “Certa vez, um representante do movimento LGBT foi ao Congresso e se disse impressionado em como as críticas contra mim só me deixaram mais forte”, disse o pastor.

"Cura gay"

Chamado de racista e homofóbico por causa de comentários que fez em relação a negros e homossexuais, Feliciano enfrentou resistência de movimentos sociais e de parlamentares ligados à defesa dos direitos humanos no período em que assumiu e comandou a CDH. Em protesto, vários deputados deixaram o colegiado.

Durante seu mandato de presidente, encerrado no final do ano passado, a Comissão de Direitos Humanos aprovou propostas como a que permite a psicólogos promoverem tratamento com o objetivo de curar a homossexualidade.  Conhecido como “cura gay”, o projeto acabou arquivado pelo presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN).

Em outubro, a comissão aprovou também o projeto que livra os templos religiosos, padres e pastores de serem enquadrados na lei de discriminação se vetarem a presença e participação de pessoas “em desacordo com suas crenças”.

Polêmicas no Twitter

O pastor Marco Feliciano tem adotado uma postura mais discreta no Twitter desde que foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal (STF) por induzir ou incitar discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia e religião em função de comentários que publicou em seu microblog. Antes de dar voz à sua pré-candidatura ao Senado, o parlamentar vinha retuitando apenas mensagens de outras lideranças religiosas e de sua própria assessoria, que possui um perfil à parte.

Em abril do ano passado, o então procurador-geral, Roberto Gurgel, recomendou aos ministros que transformassem Feliciano em réu por causa de dois comentários publicados por ele na internet em 2011. Em uma das mensagens escreveu: “A podridão dos sentimentos dos homoafetivos levam (sic) ao ódio, ao crime, a rejeição”. Na outra, postou que os africanos são amaldiçoados pelo personagem bíblico Noé. Nove meses depois, os ministros ainda não examinaram o parecer do Ministério Público Federal em relação ao Inquérito 3590.

Caso os ministros aceitem a denúncia, Feliciano passará  a responder como réu de uma ação penal que pode lhe render até três anos de prisão e multa. O caso é relatado pelo ministro Marco Aurélio Mello, a quem caberá examinar, inicialmente, o pedido da PGR. O recebimento da denúncia, ou seja, a reautuação do inquérito (procedimento preliminar de investigação) em ação penal (processo) depende, porém, da aprovação da maioria dos ministros do Supremo.

Leia mais sobre as eleições de 2014

Mais sobre Marco Feliciano

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!