Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

Em vídeo, federação de empresas de transporte fala em “sumir com caminhões” e em “caos para todo lado”

Um vídeo institucional da Federação de Empresas de Transporte de Carga do Estado de São Paulo (Fetcesp) é alvo de investigação no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). A peça, divulgada no último dia 11, fala em “sumir com caminhões” e em “caos para todo lado” ao narrar as consequências de uma paralisação de caminhoneiros durante cinco dias. A federação faz parte do grupo de 20 pessoas físicas e associações investigadas pelo Cade por suspeita de ação coordenada entre concorrentes para prejudicar a livre concorrência.

O vídeo foi divulgado em primeira mão pela TV Globo. Em nota, a entidade afirma que a intenção não era causar pânico, mas conscientizar a população sobre a importância do transporte rodoviário de cargas. “Então, os caminhões são o problema? Vamos sumir com eles por apenas cinco dias!", diz o trecho inicial do vídeo.

O locutor, então, narra como os problemas se avolumam caso os caminhões deixem de circular. "Já no primeiro dia, você vai perceber que não foi uma boa ideia. Alimentos frescos, essenciais, esgotam nos mercados. Cartas se acumulam." Ele cita a confusão nos postos de gasolina e nos aeroportos. “Agora, no quinto dia sem caminhões, o caos está por todo lado. A sociedade entra em colapso, não há transporte público, hospitais e escolas. As pessoas não conseguem seguir sua rotina”.

Veja o vídeo:

"Acredito que você nunca tinha parado para pensar na importância que o transporte de cargas tinha na sua vida, não é mesmo? Então, lembre-se sempre: tudo passa pelo transporte de cargas", diz o narrador.

Em nota, o presidente da Fetcesp, Flavio Benatti, diz que o vídeo foi divulgado de forma parcial e distorcida. Segundo ele, a intenção era valorizar o papel dos transportadores. “A Fetcesp entende que a manifestação em curso no país não contribui com a valorização da imagem do transporte e atua no sentido de que seja restabelecida a normalidade”, diz.

Em coletiva no último sábado, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse que o governo tem convicção de que há um “locaute”, espécie de greve ilegal de empresas, por trás do movimento de paralisação dos caminhoneiros iniciado na última segunda-feira (21).

“Nota à imprensa

A Fetcesp esclarece que não apoia e tampouco incentiva qualquer tipo de paralisação das atividades de transporte rodoviário de cargas.

A notícia da abertura de investigação da Fetcesp pelo Cade em virtude de vídeo divulgado pela entidade, mostra apenas parte do vídeo o que distorce o sentido da mensagem nele contida e que se pretende passar ao público em geral.

Esclarece que iniciou no ano passado uma campanha com o objetivo único de valorizar a imagem do transporte rodoviário de carga, que é a mensagem final do vídeo divulgado e omitida no noticiário. A intenção clara no vídeo é a de conscientização da população sobre importância do transporte rodoviário de cargas e de amenizar a rejeição ao caminhão.

Este foi o primeiro vídeo da campanha que se justifica em razão das restrições ao tráfego de caminhão.

Daí a importância de mostrar o seu papel relevante no abastecimento das cidades.

A Fetcesp entende que a manifestação em curso no país não contribui com a valorização da imagem do transporte e atua no sentido de que seja restabelecida a normalidade e as empresas, que são inquestionavelmente prejudicadas com a paralisação, possam livremente desenvolver seu trabalho e sua atividade de escoamento da produção e o abastecimento de todo o mercado.

Flavio Benatti,

Presidente da Fetcesp”

<< PF abre 37 inquéritos em 25 estados para investigar empresários

<< PF pede prisão de empresários acusados de articular greve, afirma ministro

Continuar lendo