No adeus a 2012, “Dilma” fala ao Congresso em Foco

A "presidenta" não era bem a convidada de honra para a exibição do documentário "Pela primeira vez"; mas compareceu à estreia e, como este site, foi barrada pelo cerimonial presidencial

Era uma quarta-feira à noite, 25 de abril, céu limpo em Brasília. No interior do Museu da República, o prédio futurista do saudoso Oscar Niemeyer (1907-2012), estreava o filme Pela primeira vez, de Ricardo Stuckert (o filme não "estreava pela primeira vez"; favor atentar para o itálico do título e ignorar o pleonasmo). Observador privilegiado, fotógrafo oficial dos dois mandatos de Lula, Stuckert resumiu em 32 minutos, com direito aos encantos em 3D, a transição para o governo Dilma Rousseff, com ênfase no último dia de Lula na Presidência e na passagem da faixa presidencial.

Eis que, diante do cenário intergaláctico à beira da Esplanada dos Ministérios, "Dilma do Chefe" dá uma saidinha da sala de exibição para tomar um vento, na área externa onde medalhões do jornalismo político bradavam contra a vida, barrados pelo cerimonial presidencial. A presidenta é calorenta. Queria sentir o ar da fresca seca de Brasília.

Sem tempo ou vocação para vociferar contra as circunstâncias, lá estava a reportagem do Congresso em Foco a frustrar os planos presidenciais de privacidade em seu momento deleite de brisa. Com a voz mais grossa, rouca e grave que o normal, a presidenta não resistiu à delicada abordagem do repórter e seu "sofisticado" aparato de filmagem - um celular.

A presidenta parecia mesmo querer que aquela espécie de nave espacial de cimento projetada por Niemeyer, pousada estrategicamente a cerca de um quilômetro do Congresso, abduzisse algumas figuras que se refestelavam diante da tela, com direito a quitutes e salamaleques. Dilma estava era preocupada com a CPI do Cachoeira, que nem havia definido ainda o relator dos trabalhos, missão depois conferida ao deputado mineiro Odair Cunha (PT).

A reportagem procurou não aprofundar a conversa - "Dilma" dava sinais de que poderia dispensar ao repórter o mesmo tratamento que dá a certos ministros. Mas, surpreendentemente, ela sorriu, e até deu conselhos aos leitores deste site. Embora sob a exigência de que as luzes da câmera fossem desligadas - ela não queria ver escancarados no filmete os vincos do rosto. Por isso, caros leitores, desculpem-nos pela escuridão presidencial.

E assistam a uma Dilma que não costuma dar bobeira assim, em frente a um museu público:

 

Feito o registro, o repórter agradeceu pela atenção que o humorista do Pânico na Band!, Márvio Lúcio, o "Carioca", deu à desolada reportagem do Congresso em Foco à porta do museu.

Não foi a primeira vez que o repórter se deparou com a pauta palhaçada na política.

Ah, sim. Pedi que Carioca não entrasse em pânico: nossos leitores não vão confundi-lo com Lula. Ou melhor, com Dilma.

 

Veja ainda:

Imperdível vídeo em que "assessora de deputado" entrega tudo

Saiba mais sobre o Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!