Em nova fase da Lava Jato, um dos alvos é um advogado ligado a Renan Calheiros

As buscas e apreensões foram autorizadas pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, dentro de um dos inquéritos abertos para investigar o senador

 

A Polícia Federal realiza, na manhã desta sexta-feira (28), mandados da Operação Satélites – relacionada à Lava Jato. Ao todo, a operação cumpre dez mandados, todos de busca e apreensão. O principal alvo da operação é o advogado Bruno Mendes, ligado ao senador Renan Calheiros (PMDB-AL). A PF realizou buscas e apreensão no escritório do advogado.

Bruno Mendes já ocupou o cargo de assessor parlamentar de Renan e foi gravado em uma das conversas de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, que foram entregues à força-tarefa da Operação Lava Jato.  Na gravação, Fabiano Silveira faz críticas à condução da Lava Jato pela Procuradoria e dá conselhos a investigados na operação. A conversa teria ocorrido em uma reunião na casa do então presidente do Senado, Renan Calheiros.

As buscas e apreensões foram autorizadas pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), dentro de um dos inquéritos abertos para investigar o senador Renan Calheiros.

A operação é um desdobramento da Satélites, deflagrada pela PF em 21 de março. A operação foi batizada de Satélites porque os principais suspeitos estão na órbita de políticos, são pessoas ligadas a eles. Na primeira fase, os alvos foram empresários ligados aos senadores Renan Calheiros, Eunício Oliveira (PMDB-CE), Valdir Raupp (PMDB-RO). Todos negam envolvimento em qualquer tipo de irregularidade.

Em Brasília, na ocasião, foram realizadas buscas na Confederal, empresa de transporte de valores, que já foi administrada pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE).

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo