Em ato contra a Vale, manifestantes são detidos na Câmara

Quatro pessoas foram detidas em um protesto contra a empresa Vale. Sujos de barro, manifestantes escreveram "Morte" no corredor da taquigrafia da Câmara, em referência ao rompimento da barragem de Mariana (MG)

A Câmara dos Deputados foi palco de um protesto no início da tarde desta quarta-feira (25). Um grupo formado por cerca de 15 jovens ligados ao Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) realizou um ato contra a empresa Vale, uma das proprietárias da mineradora Samarco, responsável pelo rompimento da barragem em Mariana (MG). Sujos de lama, o grupo executava uma performance e escreveu a palavra "morte" no mural de um salão próximo ao plenário da Casa. Marcas de mãos sujas de barro também foram deixadas pela parede, em referência à lama tóxica que atingiu o Rio Doce e chegou ao litoral capixaba no último final de semana.

A Polícia Legislativa interrompeu o protesto com truculência e deteve quatro pessoas. A corporação informou que está adotando os procedimentos em relação ao caso. Isso inclui verificar a identidade dos presos, o motivo de terem entrado na Câmara e possíveis precedentes criminais.

Como se trata de crime de menor potencial de danos, os invasores serão arrolados em um termo circunstanciado – procedimento equivalente a um Boletim de Ocorrência da Polícia Civil. Os manifestante, depois de liberados, devem ser convocados para dar depoimentos à Justiça.

(Com informações da Agência Brasil)

Mais sobre manifestações

Mais sobre Meio Ambiente

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!